Olhando para o lucro privado
A Rússia tomou a dianteira e deixou os monopólios para trás; dizem que o Estado é ineficiente, mas o laboratório russo é estatal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
11799827474_b3e7b6f011_c (1)
Laboratório | Foto: Sisib Uchile

O portal O Globo G1, anuncia que a Rússia vai conceder registro para a 1ª vacina contra a Covid-19 na próxima semana, 12 de agosto. O programa nacional russo vai começar a vacinação em massa a partir de outubro, conforme anunciado pelo Vice-Ministro da Saúde Oleg Gridnev e o Ministro da Saúde Mikhail Murashko.

O Instituto Gamaleya, do Centro Nacional de Investigação de Epidemiologia e Microbiologia, órgão estatal, está trabalhando numa vacina baseada em adenovírus. Informa que a 3ª e última fase de testes está em andamento e é extremamente importante para se ter a certeza que é segura. Só após concluída essa fase poderá ser licenciada e usada para comercialização.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), diz que 164 vacinas estão em fase de estudo, mas só 5 estão na fase 3, de teste, como a russa. Nove países já a testaram em humanos.

As outras cinco são a Sinovac (China), Instituto Biológico de Wuhan/Sinofarm (China), Instituto Biológico de Pequim/Sinofarm (China), e Moderna NiAid (EUA).

Dizem que a mais promissora é a da Oxford em conjunto com a farmacêutica AstraZeneca, com o objetivo de induzir a resposta imune tanto por anticorpos como por célula T nas fases iniciais de contágio. Inclusive vem sendo testada nos brasileiros voluntários.

Recentemente o governo russo procurou o governo de São Paulo para se associarem para a produção da vacina, diz o presidente do Instituto Butantã, Dimas Covas.

Um representante do governo do Paraná esteve com o embaixador russo e ofereceu a estrutura do Instituto de Tecnologia do Paraná para a produção da vacina, mas até agora não houve acordo.

A matéria ainda destaca a desconfiança da comunidade internacional alegando que a Rússia não publicou estudos ou dados científicos sobre os resultados dos testes, e por isso veem com desconfiança a sua eficiência. E que em abril o presidente Vladimir Putin instruiu o governo a simplificar e encurtar os prazos para os testes clínicos e pré-clínicos.

Em maio a Organização dos Organizadores de Pesquisas Clínicas, criticou os russos por descobrir que os cientistas do Instituto Gamaleya haviam se inoculado doses da vacina quando ainda em teste. O que foi desmentido pelo diretor do Instituto, dizendo que eles haviam tomado medicamentos para prevenir contaminação e poderem continuar desenvolvendo a vacina sem riscos.

Com base nessa notícia notamos que de fato a Rússia tomou a dianteira na produção de uma vacina que poderá salvar da morte de milhões de pessoas mundo afora. Já passou pelas fases 1 e 2 e se encontra em conclusão da fase 3. Isso mostra que já passou nos testes anteriores, senão teriam abandonado essa pesquisa e mudado para outro tipo de estudos. 

Portanto concluímos que há um futuro promissor nessa vacina desenvolvida, ao contrário do que dizem os órgãos internacionais. O que chama a atenção é por quê a desconfiança? Quais interesses teriam em desacreditar uma potencial vacina que pode salvar grande parte da humanidade?

Com certeza seriam os interesses econômicos envolvidos, pois quem produzir primeiro a vacina vai ganhar muito dinheiro com esse produto, uma vez que se trata da diferença entre morrer ou viver. Quanto as pessoas estariam dispostas a desembolsar para salvar suas vidas? Trata-se de um negócio milionário, não é mesmo? 

E pela lógica do capitalismo, é preciso eliminar o concorrente, seja lá como for possível, pouco importa se morrerão milhões. Enquanto os governos nada fazem para conter os contágios, só os laboratórios privados estão investindo, onde os ganhos serão privados, é assim que agem os monopólios.

Ao contrário do caso dos russos, pois o laboratório é estatal. E isso põe em contradição a tese dos liberais e neoliberais, de que o Estado é ineficiente. Tá provado que a realidade não é assim. Ao observar bem, é possível ver que dos outros cinco laboratórios que pesquisam, três são chineses, e portanto estatais, outro dos EUA, privado e em destaque colocam o Inglês da Oxford, também privado, que estão testando nos brasileiros. Dos seis casos mais avançados, quatro são estatais, apenas dois privados.

Isso prova que o capitalismo encontra-se em fase terminal e as empresas não conseguem sair do atoleiro em que se meteram por causa da ganância desmedida em lucros a qualquer preço. Tão pagando o preço, afinal se o demônio faz mal para pessoas do mal, então ele é do bem.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas