Lula Presidente em 2022!
A importância da campanha lançada pelo PCO é, mais uma vez, repercutida. Agora, por um dos veículos mais importantes de toda a América Latina, a Prensa Latina
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
LueFi
Lula e Fidel Castro, um dos idealizadores e fundadores da Prensa Latina | Foto: Reprodução

Na última terça-feira (08), a Prensa Latina (ou Agência de Notícias Latinoamericana S.A.) publicou uma matéria intitulada “Partido no Brasil apresenta campanha à presidência de Lula em 2022”. No artigo, o veículo cubano noticia e explica a política que o Partido da Causa Operária lançou para este próximo período de luta: Lula Candidato em 2022.

A matéria publicada pela Prensa Latina é apenas mais uma prova de que a política levantada pelo PCO é a única capaz de unir os povos latinoamericanos na luta contra o imperialismo no Brasil. Exatamente como o artigo explicita, à luz do programa apresentado pelo companheiro Rui Costa Pimenta na TV 247, Lula é a figura política mais popular de todo o Brasil, o candidato dos trabalhadores e, nesse sentido, a luta apoiada sobre sua candidatura, sobre a garantia de seus direitos políticos mobilizará amplos setores da população para derrotar, finalmente, o golpe de estado.

Apesar de a esquerda pequeno-burguesa estar absolutamente à reboque da direita golpista, reproduzindo a injúria de que é preciso passar a página e seguir em frente, o PCO continua defendendo que o golpe de estado contra Dilma, em 2016, mudou profundamente a correlação de forças da luta política no Brasil. Nesse sentido, derrotar Bolsonaro e a direita com a ausência de uma luta contra o golpe representa uma ingenuidade que não encontra espaço dentro da luta de classes. Finalmente, no atual estágio do capitalismo, é preciso combater o imperialismo que é, sem sombra de dúvidas, o principal carrasco da classe operária em âmbito mundial. Por conseguinte, exatamente pela política de golpes na América Latina ser a política do imperialismo é que se deve combatê-la veementemente até que não encontre expressão em nenhuma parte do território nacional.

Nesse sentido, é preciso entender como travar esta luta contra o imperialismo e analisar, de forma material, onde está o cenário político brasileiro neste momento. Frente à continuação do golpe em 2018, com a prisão absurda de Lula, fica evidente que ele é a figura que se contrapõe ao imperialismo. Afinal,não prenderam Boulos, nem mesmo Ciro. Prenderam exatamente quem precisava ser contido para que a burguesia pudesse impedir a cada vez mais alarmante polarização presente no cenário político nacional. 

A política apresentada pelo PCO é, indubitavelmente, de crucial importância para o futuro da luta da classe operária no Brasil. No momento em que a Prensa Latina repercute nosso posicionamento, nos deparamos com ainda mais uma prova de que a luta travada pelo PCO é, de fato, a luta dos trabalhadores. Finalmente, não podemos nos esquecer de o que é a Prensa Latina.

Fundada em 16 de junho de 1959, em Havana, Cuba, a Prensa Latina veio como forma de o recém estabelecido governo revolucionário do País combater a campanha de intrigas constante por parte do imperialismo norte-americano. Foi idealizada e defendida, inclusive, pelo próprio Fidel Castro que colocou que a criação de uma agência de notícias latinoamericana era essencial exatamente para acabar com o confucionismo que os opositores ao regime de Fidel causavam sobre o mundo. 

Além disso, vale notar que já trabalharam na Prensa Latina alguns dos jornalistas e escritores mais renomados do continente, como Gabriel García Márquez, Rodolfo Walsh e Jorge Ricardo Masetti. Sem contar que um dos principais impulsionadores do projeto, além de Fidel Castro, foi ninguém mais ninguém menos que o próprio Che Guevara, logo após a Revolução Cubana.

Portanto, fica evidente que o apoio que o PCO recebeu da Prensa Latina é inestimável. Exatamente por ser um veículo de extrema importância para a luta anti-imperialista contemporânea, prova que a campanha levada a frente pelo Partido também é de extrema importância, representando um horizonte genuinamente positivo para concretizar a luta contra o golpe e, finalmente, derrubar Bolsonaro e todos os golpistas.

Confira abaixo a matéria publicada pela Prensa Latina na íntegra:

Partido no Brasil apresenta campanha à presidência de Lula em 2022

O Partido Causa Operária (PCO) anunciou hoje que aprovou o início de uma campanha a favor da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula de Silva às eleições presidenciais de 2022 no Brasil.

Em entrevista à TV 247, a direção do PCO, Rui Costa Pimenta, confirmou que tal ação foi pactuada na organização política na contramão de setores que defendem o isolamento do fundador do Partido dos Trabalhadores e a sua reforma antecipada.

Ele explicou que ‘quando a burguesia atacou, eles sabiam que o grande problema do golpe no Brasil, se uma ditadura militar não ia se instalar, era Lula’.

Ele alertou que, para encerrar a trama, ‘o que seria algo muito negativo, os golpistas preferem colocar o ex-chefe de Estado em uma espécie de ostracismo político’.

Ele reconheceu que, se o PCO tivesse uma pessoa com a estatura eleitoral do ex-presidente, ‘ninguém diria que ele teria de ser substituído’.

Para Costa Pimenta, o ex-dirigente sindical é o único dirigente capaz de provocar crise na direita e nas demais tendências, e as lideranças populares não se formam da noite para o dia.

‘É difícil uma figura sair com uma história de luta e com a escala eleitoral que Lula tem’, frisou.

Em mais de uma ocasião, o ex-presidente deu a entender que não tinha intenção de concorrer à presidência.

‘Para ser candidato, eu teria que ter cem por cento de saúde, fazer dez discursos por dia. Não posso ser candidato e continuar velho no palácio (do Planalto, sede do Executivo). Já cumpri minha cota. Espero que o PT e o Brasil não precise de mim’, disse ele em abril, em entrevista ao portal de notícias UOL.

Ele comentou que ‘quando digo que quero recuperar a democracia no Brasil, não quer dizer que tenha que voltar à presidência’.

Mas, disse ele, ‘quero recuperar meus direitos políticos. Porque os canalhas que me puniram não têm a dignidade que eu tenho.’

Embora recuse ser candidato ao poder em 2022, ele reconheceu que gostaria de enfrentar o ex-juiz Sérgio Moro nessas eleições, que o condenou sem provas por supostos atos de corrupção.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas