Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
barroso
|

A frente única jurídico-golpista, que legitimou o golpe contra o governo eleito através do fraudulento impeachment que depôs Dilma Rousseff, acaba de desfechar mais um golpe contra a vontade soberana de mais de 40% do eleitorado nacional.

O Tribunal Superior Eleitoral, em sessão realizada na sexta-feira passada, dia 31 de agosto se reuniu para impedir, através de mais uma arbitrariedade, o direito do ex-presidente Lula concorrer como candidato às eleições presidenciais de outubro próximo.

O espetáculo grotesco transmitido ao vivo foi, dessa forma, mais uma etapa na longa lista de arbitrariedades e violações da legalidade e do ordenamento jurídico nacional, o que tornou-se regra nas decisões do judiciário golpista. Desta vez, o “maestro” condutor de toda essa farsa grotesca foi o ministro Luis Roberto Barroso, um dos mais venais da Suprema Corte, que foi o “sorteado” para ser o relator do processo de impugnação da candidatura do ex-presidente. Barroso se posicionou contrário à concessão do registro ao ex-presidente,  Depois, seguiram-se os votos dos demais ministros, tendo o placar ficado em 6 x 1 contra o direito de Lula ser candidato.

Sequer vale a pena discutir aqui se foi ou não “jogada combinada”, pois esta tem sido a regra em todas as decisões do judiciário golpista envolvendo questões que dizem respeito ao ex-presidente. Para que a farsa não ficasse totalmente escancarada, o ministro Fachin se posicionou favorável ao registro, o que foi visto por setores da esquerda como uma “luz no fim do túnel” para lastrear um recurso, no STF, contra a decisão do TSE.

O fato é que a decisão do TSE deixou ainda mais excitados os setores que, não de hoje, defendem abertamente a substituição do ex-presidente como candidato do Partido dos Trabalhadores nas eleições gerais. São os partidários do “Plano B”, os mesmos que não se movimentam, não lutam; ao contrário, conspiram diuturnamente contra a candidatura de Lula. É gigantesca a pressão vinda de todos os setores golpistas para que Lula abandone, voluntariamente, sua candidatura à presidência da república. O sinal emitido pelo TSE na sexta-feira foi claramente neste sentido: “ou substituem Lula por Haddad ou ficarão sem candidatura”, uma chantagem aberta contra os que lutam para assegurar que Lula esteja na urna no dia 7 de outubro.

Do ponto de vista jurídico ainda restam pelos menos duas possibilidades de recursos, que podem fazer com que a decisão sobre a candidatura do ex-presidente seja jogada para o final de setembro. O que está colocado é nada mais do que uma enorme pressão para Lula abandonar sua candidatura, o que será muito conveniente para a burguesia, a direita, o imperialismo e o conjunto do regime golpista que não quer e não deseja ver o ex-presidente eleito para o seu terceiro mandato.

Haddad, por mais que seja apoiado por Lula, não pode ter na atual situação a mesma força que ele. O apoio aberto da imprensa capitalista à candidatura de Haddad mostra que essa é a solução mais favorável aos golpistas.

Lula é um entrave para que o golpe se legitime pelas eleições. Sua vitória, e a de nenhum outro candidato, representaria uma grande derrota do golpe. Se ele resiste à impugnação de sua candidatura, esse fato por si só colocaria uma cunha nessa tão sonhada legitimidade: os golpistas venceriam tendo impedido de concorrer o principal concorrente, aquele que liderava as pesquisas. Já se Lula desistir da candidatura em favor da Haddad, ele apareceria como desistindo voluntariamente, sua impugnação pareceria legal, disfarçando o fato de que ele está sendo eliminado das eleições por um motivo político e não legal.

Já a candidatura de Haddad seria fraca e facilmente vencida por algum candidato golpista apoiado pelo monopólio da imprensa. E assim o PT teria sido derrotado de maneira justa e legal. Estaria legitimado assim o golpe.

É por isso que aqueles que lutam contra o golpe não podem entrar no jogo da direita. Vencer a eleição sem Lula,  ou o que é pior, apenas garantir a participação do PT nas eleições, não solucionará o problema do golpe. Ele continuará vigente e, mais ainda, fortalecido para implementar sem barreiras todo o plano golpista neoliberal de terra arrasada.

Lula é candidatíssimo. Não há qualquer alternativa ao seu nome no interior da esquerda nacional. A decisão é de “brigar até o fim”, como disse o próprio Lula. Os setores combativos  que lutam em defesa não só da candidatura do ex-presidente, mas também pela sua liberdade, devem intensificar a luta em torno à garantia do nome de Lula como candidato do PT, das massas populares, do operariado, dos trabalhadores do campo e da cidade, da juventude, dos negros, das mulheres e de todos os que se opõem ao regime de fome e miséria dos golpistas.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas