Eleições norte-americanas
Isso evidencia que o aparato de estado norte-americano está blindando Joe Biden para favorecê-lo nas eleições presidenciais deste ano.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
42b08900-6627-44ee-9561-e5c16dca0bdf-AFP_AFP_8R237T (1)
Joe Biden foi peça fundamental para a política imperialista do governo Obama. | Foto: Olivier Douliery, AFP via Getty Images

Após o New York Post publicar uma reportagem envolvendo o filho de Joe Biden, candidato Democrata à presidência dos Estados Unidos, Hunter Biden, em um suposto escândalo de enriquecimento ilícito, uma série de ofensivas da mídia capitalista concorrente e das redes sociais tem procurado deslegitimar o conteúdo da denúncia.

O artigo do NYP cita duas fontes principais: Stephen K. Bannon , o ex-assessor do presidente Trump que agora enfrenta acusações de fraude federal, que teria informado o jornal sobre um determinado “disco rígido” de um computador no mês passado, local onde estariam armazenadas informações sobre a operação; e Rudolph W. Giuliani, o advogado pessoal do presidente, que teria dado ao jornal “uma cópia” do disco rígido em 11 de outubro.

Na quarta-feira, o presidente e seu advogado aproveitaram a história do New York Post, que se concentrava em um e-mail que pretendia mostrar um consultor da empresa de energia ucraniana Burisma agradecendo a Hunter Biden, filho do candidato atual Democrata, por marcar um encontro para ele com Joe Biden, que era então o vice Presidente dos EUA.

A história não forneceu evidências de que tal reunião tenha ocorrido e foi criticada por “confiar em fontes e documentos questionáveis ​​cuja autenticidade não foi verificada”. A equipe de campanha de Biden disse ao USA TODAY que nenhuma reunião jamais ocorreu.

O New York Times e outros grandes jornais e veículos tradicionais de imprensa estão agora tentando dizer que a reportagem seria uma “fake news” e que careceria de maior credibilidade para ser considerada.

Além disso, o Twitter inicialmente impediu que o link do New York Post com a matéria fosse acessado pelos seus usuários através da plataforma, censurando previamente assim a reportagem bombástica do NYP.

“Bloquear diretamente a URL (endereço na internet) foi um erro e já atualizámos a nossa política e a sua aplicação para solucioná-lo. O nosso objetivo é procurar acrescentar contexto e agora já temos as capacidades para fazê-lo”, escreveu um diretor do Twitter.

Por último, o FBI está aventando que a publicação faria parte de uma imensa “campanha de desinformação” com origem na Rússia, jogando com a antiga polarização da Guerra Fria.

Isso evidencia que o aparato de estado norte-americano está blindando Joe Biden para favorecê-lo nas eleições e que quando se trata do fascista Donald Trump, isso nunca é feito, todas as denúncias são amplamente difundidas e viram escândalo nacional.

A burguesia imperialista está buscando, portanto uma vitória de Biden nestas eleições presidenciais por acreditar que do ponto de vista de seus negócios o experiente político Democrata teria melhores condições de favorecer seus ganhos retomando uma certa pacificação nacional ao mesmo tempo em que intensifica a tática imperialista clássica empregada entusiasticamente inclusive no governo Obama, quando este foi peça fundamental.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas