Imperialismo se sente ameaçado e prepara ofensiva para combater submarinos russos

submarino

O ministro da Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, afirmou ao jornal The Telegraph que pretende enviar 800 fuzileiros navais e diversos efetivos das tropas especiais para a Noruega no ano que vem, como uma nova estratégia para o Oceano Ártico, visando a monitorar e a eventualmente confrontar qualquer operação suspeita por parte dos submarinos russos naqueles mares.

Um dos veículos de guerra a ser utilizado é o avião P-8 Poseidon e o aparato militar britânico contará ainda com a ajuda da infantaria naval dos Estados Unidos e da Holanda, além das Forças Armadas da própria Noruega.

Williamson argumentou que “o nível da atividade dos submarinos russos é muito próximo do da Guerra Fria, e será correto se reagirmos a isso”, considerando que a movimentação dos submarinos em torno de toda a Europa vem sendo encarada como uma ameaça aos interesses imperialistas de seus países de cúpula, como França, Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido.

O ministro também revelou que os caças-bombardeiros F-35B estão aptos a pousar no convés do porta-aviões HMS Queen Elizabeth, podendo realizar “ataques decisivos a partir do mar” em qualquer parte do mundo.

Nota-se que este tipo de ofensiva contra os russos acontece ao mesmo tempo em que a imprensa burguesa internacional e os principais representantes do imperialismo têm acusado o Presidente da Rússia, Vladmir Putin, a interferir nas eleições norte-americanas, como aquela que levou Donald Trump ao poder.