Ofensiva golpista de Macron
“O Líbano pode desaparecer” ameaçou o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Jean-Yves-Le-Drian
O chanceler francês golpista, Jean-Yves Le Drian. | Foto: Reprodução.

A França continua se aproveitando da explosão em Beirute para implementar um golpe de Estado no Líbano. Encabeçando essa pressão internacional está o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian. Ele reiterou nesta quinta-feira (27) seu apelo pela formação rápida de um governo libanês e pela adoção de ”reformas urgentes” no Líbano. Caso contrário, o país corre “o risco de desaparecer”, ameaçou.

Em entrevista à rádio RTL, o chanceler francês disse que as reformas necessárias para evitar o “desaparecimento” do Líbano não podem ser implementadas pela atual classe política do país, que segundo ele é ”contestada pela população”. “Eles se autofagocitam e chegam a um consenso sobre a inação. Dizemos alto e forte que isso não é mais possível”, afirmou o golpista.

Imperialismo francês enviou tropas ao país

A posição do chanceler francês segue as declarações do presidente direitista Emmanuel Macron durante visita a Beirute em 6 de agosto, dois dias apenas após a gigantesca explosão que destruiu a região portuária da capital libanesa. O imperialismo francês enviou 750 soldados ao Líbano, em uma clara agressão à soberania nacional do país, avançando o golpe de Estado rumo a um governo de ocupação.

Segundo Le Drian, Macron vai voltar a bater na mesma tecla quando voltar a Beirute na próxima terça-feira (1°). O primeiro-ministro libanês Hassan Diab e sua equipe pediram demissão, intimidados pela pressão após a dupla explosão, no porto, de milhares de toneladas de nitrato de amônio. O ataque deixou cerca de 180 mortos e devastou vários bairros da capital.

Duas semanas após a demissão do governo Diab, o presidente libanês Michel Aoun ainda não fixou a data para as consultas parlamentares, necessárias para a designação de um novo primeiro-ministro.

Um governo que faça ”Reformas indispensáveis”

É preciso que o governo seja reconstituído. Eles têm que agir rápido. Há urgência humanitária e sanitária, além da urgência política se quisermos que o país resista”, insistiu Le Drian. O Líbano “está à beira do abismo. Metade de sua população vive abaixo da linha da pobreza, a juventude está desamparada, o desemprego é assustador e a inflação galopante”, enumerou o ministro golpista.

Segundo o capacho, é necessário formar um “governo com a missão” de adotar rapidamente as “reformas indispensáveis”, senão a comunidade internacional não ajudará o país. “Não vamos assinar um cheque em branco.” De acordo com o funcionário de Macron, ”todo mundo” conhece as reformas necessárias no Líbano, como as reformas dos serviços públicos e do sistema bancário.

Uma lista das ”reestruturações primordiais para o país” foi estabelecida por Paris e transmitida aos responsáveis políticos golpistas libaneses. Ela será debatida durante a próxima visita de Emmanuel Macron ao país, confirmou o Palácio do Eliseu, sede da presidência francesa.

Com o Hezbollah fora, Imperialismo garante o domínio da região

É necessário denunciar mais essa ofensiva como um ataque do imperialismo contra o Hezbollah e o governo do Líbano.

Há indícios de que a explosão é um ataque do imperialismo e evidentemente está sendo usada pelo próprio para desestabilizar o país em uma convulsão social generalizada, usando da catástrofe para impor um regime de força e um governo de ocupação sobre o país, exatamente como foi feito no Iraque em 2003 e como foi a tentativa na Síria, que acabou fracassada mas gerou como resultado uma devastação nacional sem precedentes, onde o maior prejudicado foi o próprio povo sírio.

Este golpe de Estado sendo um plano do imperialismo de conjunto, principalmente dos EUA, que quer ver o Hezbollah afastado do poder político no país a fim de garantir seu domínio na região, uma vez que o grupo é uma das principais pedras no sapato do imperialismo no Oriente Médio.

Esse é o plano do imperialismo, nesse caso o imperialismo francês tomando a frente: devastar o Líbano e impor ao povo libanês um governo de ocupação, retornar à época de colônia onde a revolta do povo era contida na violência de grupos de mercenários fascistas contratados pelo imperialismo para dominar a região.

Uma política de terra arrasada e devastação nacional, um crime sem precedentes para benefício dos grandes monopólios e dos países aliados destes na região, como Israel.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas