Agressão imperialista
O imperialismo francês enviou 750 soldados ao Líbano, em uma clara agressão à soberania nacional do país, avançando o golpe de Estado rumo a um governo de ocupação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
download
Beirute, no dia da explosão | Foto: Mohamed Azakir

A França enviou na última sexta-feira (14) 750 soldados ao Líbano sob pretexto de “ajudar” a limpar os entulhos ocasionados pela explosão gigantesca que ocorreu há duas semanas no porto de Beirute, capital libanesa. A explosão, de causas desconhecidas, está sendo usada pelo imperialismo para influenciar na política interna do país, impulsionando um verdadeiro golpe de Estado.  A declaração do envio das tropas foi feita no mesmo dia em que as mesmas foram enviadas, feita pela Ministra da Defesa da França, Florence Parley, um órgão explicitamente intervencionista. 

A proposta do governo Macron é feita após uma explosão de manifestações violentas, embora não massivas, que se colocam contra a força política de maior popularidade no país, o Hezbollah, e levou à renúncia dias após a explosão na capital do primeiro-ministro do Líbano. Tanto que essa clara intervenção foi aprovada pelo primeiro-ministro interino, Michel Aoun 

Vale ressaltar que essa clara intervenção é apoiada pelos manifestantes, que nas manifestações contra o Hezbollah estendem a bandeira colonial do Líbano. Mostrando, evidentemente, o teor reacionário dessas mobilizações. No momento em que o país sofre um duro ataque, com uma explosão que gerou, até agora, 171 pessoas mortes, mais de 6 mil feridos e cerca de 300 mil pessoas desabrigadas após a explosão que ocorreu no dia 4 de agosto e sucessivas aproximações do imperialismo, em especial o francês, as manifestações onde se hasteiam a bandeira do imperialismo francês e em pouco tempo se envia tropas é uma clara ofensiva golpista sobre o Líbano.  

É necessário denunciar mais essa ofensiva como um ataque do imperialismo contra o Hezbollah e o governo do Líbano. Há indícios de que a explosão é um ataque do imperialismo e evidentemente está sendo usada pelo próprio para desestabilizar o país em uma convulsão social generalizada, usando da catástrofe para impor um regime de força e um governo de ocupação sobre o país, exatamente como foi feito no Iraque em 2003 e como foi a tentativa na Síria, que acabou fracassada mas gerou como resultado uma devastação nacional sem precedentes, onde o maior prejudicado foi o próprio povo sírio.  

Esse é o plano do imperialismo, nesse caso o imperialismo francês tomando a frente: devastar o Líbano e impor ao povo libanês um governo de ocupação, retornar à época de colônia onde a revolta do povo era contida na violência de grupos de mercenários fascistas contratados pelo imperialismo para dominar a região. Uma política de terra arrasada e devastação nacional, um crime sem precedentes para benefício dos grandes monopólios e dos países aliados destes na região, como Israel.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas