Eleições nos EUA
TRata-se de uma manobra de chantagem para obrigar os negros a apoiarem a frente ampla
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
RX7S4QMMIPUC6FPGJPBKRH5RQI
Biden: o candidato dos banqueiros e grandes caítalistas | Foto: Chip Smodevilla/ Photographer

As eleições nos EUA estão sendo organizadas para dar a vitória aos setores centrais do imperialismo norte-americano, ligados diretamente ao capital financeiro, os quais se agrupam no interior da candidatura do Democrata Joe Biden. Biden é apoiado por um amplo espectro político norte-americano, que vai de Barack Obama até George W Bush.  Recentemente, o adversário de Biden no interior do Partido Democrata, Bernie Sanders, representante de uma ala mais à esquerda, declarou-se abertamente favorável a vitória de Biden, fazendo campanha entre os setores da juventude norte-americana para o voto naquele candidato sob a ameaça de uma vitória de Trump.

Trata-se, portanto, de uma verdadeira frente ampla no interior do regime político falido norte-americano, onde todo um setor da esquerda é chamado a dar sustentação ao candidato favorito dos grandes capitalistas e banqueiros. É importante deixar claro que Biden, apesar da alcunha de “Democrata”, é uma ameaça pior em vários aspectos do que Trump. A ala imperialista que apoia Biden é a ala que defende uma política de guerra aberta em vários locais do mundo, como no Oriente Médio, na Ásia e na América Lartina, é o setor que organizou e colocou em prática as intervenções militares norte-americanas, as quais levaram a morte milhares de pessoas em todo mundo, no Afeganistão, no Iraque, na Líbia, na Síria, etc. Trata-se também da ala imperialista que levou em frente a política de golpes de estado dos EUA em todo o globo nos últimos 10 anos.

Neste sentido, a vitória de Biden não representa nenhum progresso frente a atual situação. Pelo contrário, significa o fortalecimento da máquina de guerra do imperialismo norte-americano em escala global.

Para tentar dar um verniz esquerdista à campanha de Biden, o imperialismo busca fazer demagogia com setores historicamente oprimidos da sociedade norte-americana, os quais no último período se levantaram em gigantescas e radicalizadas manifestações contra o regime, como é o caso dos negros.

Alguns meses atrás, Biden declarou que era obrigação dos negros norte-americanos votarem em sua candidatura. Nesta semana, o Twitter suspendeu contas de negros apoiadores de Trump por suposta manipulação. Trata-se de uma medida antidemocrática, feita por uma rede social privada, ou seja, um monopólio da comunicação.

O fundo político desta medida é uma ação de chantagem, demagogia e coação. É a tentativa de obrigar, por meio da censura, que todo um setor do movimento negro norte-americano apoie a candidatura de Biden. Ou seja, se integre à frente ampla.

Assim como Trump, Biden é um inimigo da luta dos negros norte-americanos. O candidato Democrata é o representante dos setores que impuseram aos negros a atual situação de pobreza, miséria e violência.

Neste sentido, nenhum dos dois candidatos representam uma alternativa progressista para os negros na atual situação política. A tarefe central dos negros norte-americanos, assim como de todos os setores explorados, a classe trabalhadora de um modo geral daquele país, é construir uma organização operária e revolucionária completamente independente do atual regime político. É necessário travar a luta pela construção de um partido operário, revolucionário e independente  nos EUA.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas