Dois pesos de duas medidas
Mais uma vez, o imperialismo faz uso de seu característico cinismo para decidir, de forma totalmente arbitrária, qual governo deve ser mantido e qual deve ser derrubado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mali
Militares são recebidos aos aplausos por população que protestava contra govenro de Keïta. | Moussa Kalapo / EFE-EPA

Nesta última terça-feira (18), pela parte da manhã, o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e seu primeiro-ministro, Boubou Cissé, foram detidos por soldados revoltados com sua administração. Após algumas horas, o agora ex-presidente anunciou sua renúncia e, além disso, a dissolução do parlamento maliano. Em seguida, os soldados amotinados se juntaram à população que já se manifestava no centro de Bamako pela queda de Boubacar. O porta-voz dos insurretos, que se apresentam como “Comitê Nacional para a Salvação do Povo”, convidou demais partidos e organizações para que condições sejam criadas para a organização de um governo civil transitório, visando a organização de novas eleições gerais.

Frente à isso, o imperialismo prontamente se colocou contrário à insurreição dos soldados malianos, taxando o ocorrido de “golpe”. O Conselho de Segurança Nacional da ONU convocou uma reunião de emergência nesta quarta-feira (19) e, ademais, Antonio Guterres, Secretário Geral das Nações Unidas, exigiu a libertação imediata dos presos. Sem contar que o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, disse recusar qualquer tipo de mudança inconstitucional.

“Isso não pode, de forma alguma, ser uma resposta à crise sociopolítica que atinge o Mali há meses”, disse Borrel

Em especial, a declaração de Borrell vem com um tom único de cinismo. Afinal de contas, o exército francês invadiu o território de Mali e ocupa o Norte do país desde 2013, promovendo, inclusive, combates armados intercomunitários. O fato é que a população de Mali, representada pelo Movimento 5 de Junho, tem ido às ruas do país para protestar contra o governo neoliberal imperialista de Boubacar Keita desde junho. Ademais, como disse à Reuters Nouhoum Togo, porta-voz do movimento, os eventos recentes “não foram um golpe militar, mas uma revolta popular”.

Acima de tudo, o que precisa ser foco de nossa análise acerca da situação é que, ao mesmo tempo que o imperialismo caracteriza a ação militar malinense como um golpe, dá total apoio às “revoltas populares” que vem crescendo dentro da Bielorrússia e do Líbano. Marca dessa contradição é a fala de Borrel que ignora por completo o caráter abertamente inconstitucional dos grupos bielorrussos e libaneses que clamam pela queda de seus governos nacionalistas por meio da intervenção internacional.

É um tipo de posicionamento típico da política imperialista, apenas mais uma faceta de suas fundamentais contradições. Outro exemplo escancarado da arbitrariedade dos grandes regimes é o posicionamento da Inglaterra e do próprio EUA frente à crise política dentro de Hong Kong. Afirma se tratar de uma mobilização com caráter popular, ignorando as provas de que os Estados Unidos têm envolvimento direto com a organização de tais manifestações.

Principalmente durante a presente crise, o sistema imperialista escancara sua decadência e inicia um processo inédito de hecatombe econômica e política, ruindo aos tropeços, sobre suas próprias contradições. Com isso, é imprescindível que as falácias da demagogia imperialista sejam categoricamente denunciadas visando garantir a soberania dos estados e, mais importante, dos trabalhadores. Acima de tudo está a vontade do povo, e nem mesmo a política agressiva do imperialismo pode atropelar aquilo que a classe operária decidir.

 

https://www.youtube.com/watch?v=JFVlRjip5s0

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas