Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro5
|

A partir das declarações de Bolsonaro a respeito do assassinato do pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, durante a ditadura, diversos políticos da esquerda, organizações e parte da própria população (como em manifestações nas redes sociais) começaram a pedir o impeachment do presidente fascista e ilegítimo.

Essa não é a primeira vez que isso ocorre, mas com o aprofundamento da crise do governo e das medidas arbitrárias e posições abertamente fascistas de Bolsonaro, têm aumentado as exigências por sua saída, mesmo que de uma maneira um tanto confusa.

O pedido informal de impeachment, ao qual aderiram parlamentares do PT e entidades como a CUT, demonstra o acerto da palavra-de-ordem Fora Bolsonaro, proposta pelo PCO no dia seguinte à vitória fraudulenta do então candidato do PSL nas eleições de 2018 e utilizada das mais diversas maneiras pela população em atos espontâneos como no Carnaval ou espetáculos musicais e em protestos por todo o País.

No entanto, embora não seja errado pedir o impeachment de Bolsonaro, é preciso entender que, na eventualidade de que ele ocorra, seria uma manobra parlamentar para substituí-lo por seu vice, o igualmente fascista general Hamilton Mourão. Ele daria continuidade à mesma política “bolsonarista”. Apesar de, possivelmente, nesse caso, haver um aprofundamento da polarização política no País, com mobilizações dos trabalhadores, a burguesia tentaria salvar o golpe de Estado de 2016 e estabilizar o governo com um substituto de Bolsonaro.

O caminho mais correto a ser seguido, para evitar qualquer manobra dos golpistas diante da queda de Bolsonaro, é a exigência da organização de eleições gerais, com Lula fora da cadeia e candidato (uma vez que era o favorito da população nas últimas eleições e foi ilegalmente impedido de participar para que Bolsonaro fosse “eleito”). O povo deve ter o direito de escolher, sem nenhum filtro da direita, qual o seu candidato à presidência. Devem ser eleições amplas, que substituam as eleições fraudulentas para todos os cargos eleitos em 2018, com uma grande participação das entidades populares na própria organização do pleito, a fim de impedir uma nova fraude da direita.

Com uma campanha por eleições gerais, o movimento popular e operário poderia assumir um papel de direção na luta política em curso, impondo nas ruas a queda de Bolsonaro e a derrota do golpe, levando a uma saída democrática por fora das instituições controladas pela direita.

Mais do que nunca, a palavra-de-ordem deve ser Fora Bolsonaro! Liberdade para Lula! Eleições Gerais, já!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas