Crise total no bloco golpista
Moisés vê processo de impeachment avançar e poderá ser afastado do cargo ainda este mês.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
carlos_moises_sc-1200x720
Mais um governador derrubado? | Divulgação

Nesta quinta-feira (17), o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL) e sua vice, Daniela Reinehr, viram na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina) a aprovação do processo de impeachment por 33 votos favoráveis contra 6 apoiadores do governador.

Agora, ocorrerá uma comissão mista de deputados e juízes para decidir sobre o afastamento da chapa que governa o estado.

Em reposta o governador catarinense chamou que a iniciativa de um processo “motivado por interesses políticos” e que “permanece confiante na Justiça”. De acordo com Moisés “a pressa com a qual o presidente do Parlamento estadual levou o tema a plenário revela tão somente os interesses políticos daqueles que buscam o poder para fins pessoais e não respeitam o voto dos catarinenses, atentando contra a democracia”.

O mesmo é denunciado por crime de responsabilidade na compra de 200 respiradores superfaturados da China. Tal acusação é claramente uma desculpa, para levar a frente a derrubada do governo, por um dos setores da burguesia catarinense.

A crise na prática dá-se no interior da burguesia. Moisés, cresceu nas pesquisas eleitorais com poucas semanas de antecedência das eleições, seguindo a mudança de política da burguesia que decidiu optar pelo governo improvisado de Jair Bolsonaro. Na época, Moisés estava atrás inclusive do candidato do PCO, e em pouco tempo, tornou-se o “candidato dos catarinenses”.

Nesse sentido, a facilidade com que o mesmo é derrubado de muito lembra o processo contra Witzel, processo que foi responsável por afastar o governador carioca graças ao conflito com setores bolsonaristas. Não há base popular, sequer entre os defensores de Bolsonaro.

Agora, com o desenvolvimento do processo de impeachment, quem assumirá o cargo provisório será o presidente da Alesc, Julio Garcia (PSD) do mesmo partido do ex-governador Raimundo Colombo, representante do setor mais predominante da burguesia local.

A crise chegou a tamanha proporção, que muitos respondem ao processo de impeachment em alusão ao golpe de 2016, declarando ser uma ação golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas