Eleição na Câmara
Não dá para fazer alianças com os pais do fascismo para derrotar o fascismo, Jeferson Miola acredita que sim
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Baleia Rossi e Temer
Baleia é o homem de Temer. | Arquivo.

As discussões sobre o apoio da esquerda parlamentar ao bloco de Rodrigo Maia para a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados continuam dominando as polêmicas na imprensa progressista. A escolha de Baleia Rossi (MDB-SP) como candidato do bloco intensificou o debate, já que implica que a esquerda terá de apoiar o homem de Michel Temer para a presidência da Casa. Logicamente, trata-se de uma discussão sem sentido, afinal de contas, o que muda apoiar o DEM, o MDB ou o PSDB, todos eles partidos que estiveram na linha de frente da articulação do golpe de Estado?

O jornalista Jeferson Miola é um defensor da política de aliança da esquerda com a direita golpista na Câmara. Na semana passada, o jornalista já havia publicado um artigo onde chamava a articulação na Câmara de “frente antifascista”, usando inclusive Leon Trótski para justificar a política que na realidade é o exato oposto do que defendia o revolucionário russo para combater o fascismo. Mas isso foi assunto para artigo anterior.

Nessa segunda-feira, dia 28, Jeferson Miola publicou outro artigo, novamente defendendo a “tática antifascista” na Câmara dos Deputados: “Prioridade da esquerda é impedir eleição de títere do Bolsonaro para comando da Câmara”.

Como fica claro pelo próprio título, o que move a política de Miola é quase um vale-tudo contra Bolsonaro e para isso, impedir a todo o custo a eleição de seu títere, Arthur Lira.

Neste contexto de relação de forças desfavorável e da urgência do enfrentamento ao fascismo, a tarefa central da oposição é obstruir a marcha bolsonarista sobre as instituições e impedir a hipertrofia do seu poder, mesmo que isso signifique votar em Baleia Rossi, um expoente do golpista e canalha MDB que jogou o Brasil no precipício.

Vale tudo, até votar em Baleia Rossi “um expoente do golpista e canalha MDB que jogou o Brasil no precipício”. Desse primeiro argumento de Miola restam algumas questões: se o MDB foi quem jogou o Brasil no precipício – e nisso nós concordamos – porque seria uma obstrução à marcha de Bolsonaro o voto em Baleia? E ainda seria necessário acrescentar que não apenas o MDB jogou o Brasil no precipício como é um dos responsáveis inclusive pela chegada de Bolsonaro ao poder.

Para enfrentar o fascismo e obstruir a marcha bolsonarista, Miola quer fortalecer um setor do golpe que é mais poderoso do que o próprio Bolsonaro. A política defendida por Miola é de ocasião, para ele, frear o fascismo é apenas uma questão de nomes, no caso o bolsonarismo, e não enxerga – embora ele mesmo admita o perigo da outra ala – que o problema do fascismo não é Bolsonaro, o bolsonarismo ou coisa que o valha, mas é o próprio regime golpista.

As instituições, que Miola está preocupado em livrar do bolsonarismo, já estão há muito tempo dominadas pelos golpistas e boa parte pelo setores mais fascistas do golpe e são elas que dão sustentação a Bolsonaro e foram elas mesma as que garantiram sua subida ao poder. Apenas para citar um exemplo, quem prendeu Lula foi uma operação do regime golpista tendo como principais articuladores não o bolsonarismo de Bolsonaro, mas os golpistas do PSDB, do MDB e do DEM.

Mais à frente, Miola continua:

Sem alimentar ilusões, é preciso cobrar publicamente que Baleia Rossi assuma compromisso com a proporcionalidade dos partidos de oposição na Mesa, nas Comissões e nas relatorias de projetos; que priorize as agendas urgentes para o povo brasileiro negligenciadas pelo governo, como a vacinação universal, a garantia de renda mínima, a reconstrução econômica, a soberania nacional; e que não faça como seu padrinho Rodrigo Maia, que autocraticamente engavetou todos pedidos de abertura de processo de impeachment do Bolsonaro.

O colunista não quer “alimentar ilusões”, mas é difícil encontrar maior ilusão do que a que ele mesmo nutre para com Baleia e o bloco de Maia. Por que Maia escolheria um candidato que não estivesse disposto a levar adiante a mesma política levada por ele como presidente da Câmara?

O desenvolvimento da luta política pode fazer alterar as movimentações e manobras na Câmara, mas de um ponto de vista político, ou seja, da luta de interesses, os de Baleia coincidem com os de Maia. E se este sentou em cima dos quase 60 pedidos de impeachment, não há motivos para que Baleia não faça o mesmo, a não ser sob condições diferentes e desde que estejam elas favoráveis ao bloco golpista, nunca para a esquerda.

E por falar em ilusões, outra coisa importante a ser dita: se Baleia, indicado de Maia, é o representante do partido que levou o País ao precipício, por que agora deveríamos crer que ele será o que vai garantir a renda mínima e reconstruir a economia e a soberania nacional?

Segundo Miola, tudo isso poderia ser conseguido cobrando publicamente Baleia. as poucas dezenas de deputados da esquerda seriam então capazes de cobrar e serem ouvidos. Por que não foram até agora com Maia? Para isso, a esquerda precisa ingressar em uma aliança com os seus inimigos? E por falar novamente em ilusão…

Na realidade, todas as benesses apresentadas por Miola são a mais pura ilusão, produto de uma manobra parlamentar cujo único e real resultado será nada mais do que o fortalecimento da direita golpista, essa mesma que levou o Brasil ao precipício, elegeu Bolsonaro e agora sustenta o seu governo.

Miola conclui dizendo que se a esquerda adotar uma política “demarcatória”, ou seja, lançar um candidato independente, a consequência seria “a conquista do comando do Legislativo por um títere do regime”.

O verdadeiro títere de Bolsonaro e de todo o regime golpista não é Arthur Lira, mas Balia e o bloco de Maia. O que Lira pode fazer que Maia já não tenha feito? Absolutamente nada. Não é exatamente Bolsonaro, mas são todos os golpistas – em particular aqueles que jogaram o Brasil no precipício – os responsáveis pelo avanço do fascismo e o aprofundamento do regime de exceção.

A saída da esquerda é ter uma política independente que coloque em xeque esse regime. Para isso, é preciso abandonar as manobras parlamentares e mobilizar o povo. Mas é impossível fazer isso se aliando com os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas