Greve contra EAD
Assembléia estudantil do IFG de Itumbiara declara indicativo de greve contra o ensino remoto e retorno das aulas, exigindo a suspensão do calendário letivo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
EERp2j7WkAE7LMT
Alunos do IFG de Itumbiara em 2019, em frente a entrada da instituição | Foto: Reprodução

Em uma assembleia estudantil realizada neste sábado (25), foi aprovado o indicativo de greve no Instituto Federal de Goiás campus Itumbiara em apoio a greve do Setor Leste. Os estudantes reivindicam, seguindo o exemplo dos companheiros do DF, o fim do EAD, não a reabertura das instituições de ensino, a suspensão do calendário letivo com o governo tripartite nas escolas e nas universidades e finalmente o Fora Bolsonaro.

A iniciativa foi encabeçada pelo Comitê de Luta Estudantil do Distrito Federal e pela Aliança da Juventude Revolucionária (AJR) para combater o caráter ditatorial da reitoria. No IFG o retorno das aulas é decidido sem diálogo com os estudantes, como denuncia o próprio DCE. Muitos nem sabem do que se trata, e a Minuta lançada pela burocracia tem o claro interesse de seguir o plano de Bolsonaro e seus aliados para destruir a educação: começar o mais rápido possível com o ensino à distância, já abrindo espaço para a volta às aulas e o genocídio da juventude.

Foi comentado que ninguém pode contrair o que foi votado pela maioria dos 55 estudantes que participaram. Isso, como pronunciou um estudante, é um ataque a decisão dos alunos, além de uma ação completamente antidemocrática. Para finalizar ressaltaram a importância da luta se somar com outras escolas e outras categorias, e se dispuseram a exigir e trabalhar pela derrubada do governo genocida.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas