Greve estudantil
As exclamações de Fora Bolsonaro, os estudantes do IFG campus Aparecida de Goiânia seguindo as mobilizações da AJR e dos Comitês de Luta Estudantil declaram greve contra o EaD.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-08-19 at 14.59.40
Companheira grevista de Águas Lindas agitando a campanha para greve geral da educação | Foto: Reprodução

Neste sábado (23), em assembleia geral dos estudantes, foi declarada a greve no campus de Aparecida de Goiânia do Instituto Federal de Goiás, na qual os estudantes, por unanimidade, votaram pela greve contra o EaD, contra a reabertura das escolas e, com isso, pela suspensão do calendário letivo e sua subordinação ao governo tripartite em todas as instituições de ensino. Ou seja, o governo de estudantes, professores e funcionários, sendo que a franca maioria estudantil tenha o maior poder de decisão.

No IFG, o campus Itumbiara foi o primeiro a lançar o indicativo de greve. Em seguida, o campus Águas Lindas, que já conta com apoio de professores e do Sindicato dos Servidores dos Institutos Federais (SINASEFE) para fortalecer sua greve. Neste sábado (23), em assembleia geral dos estudantes, foi declarada a greve no campus de Aparecida de Goiânia, na qual os estudantes, por unanimidade, votaram pela greve contra o EaD, contra a reabertura das escolas e, com isso, pela suspensão do calendário letivo e sua subordinação ao governo tripartite em todas as instituições de ensino. Ou seja, o governo de estudantes, professores e funcionários, sendo que a franca maioria estudantil tenha o maior poder de decisão.

A Aliança da Juventude Revolucionária (AJR) não mente quando defende a tendência da mobilização da juventude. Se trata de um fato político comprovado mais um vez na declaração de greve em mais um campus do Instituto Federal de Goiás (IFG), o campus de Aparecida de Goiânia. A juventude não é mera massa de manobra da direita, muito pelo contrário, é quem mais sofre com os ataques dos golpistas e é a vanguarda da luta contra Bolsonaro.

O Comitê de Luta Estudantil do Distrito Federal e do entorno, iniciativa da AJR, segue com a mobilização de greves pelo Fora Bolsonaro para fazer frente aos ataques à educação e a toda juventude brasileira. No momento, os estudantes de diversas escolas já organizam em boicote ao ensino remoto emergencial, o eufemismo do famigerado ensino à distância tão adorado pelas empresas e pelos bancos mundiais.

Além disso, os próprios estudantes defenderam firmemente a questão do Fora Bolsonaro e da luta política, a única forma de reivindicar um ensino público e de qualidade. Assim, eles também trouxeram a necessidade de levar a mobilização para outras instituições de ensino, em primeiro lugar para todo IFG, e logo em seguida para todo território nacional. Finalmente foi discutido e acertado que a greve estudantil historicamente puxa a própria greve dos trabalhadores, enfatizando a mobilização dos companheiros professores que estão muito ligados a burocracia das escolas e universidades.

Agora: “Fura buxo de fura greve” como foi anunciado por uma grevista, e os companheiros prosseguem com o trabalho militante na central de ligações, convencendo e mobilizando todos para realmente mudar a situação política.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas