Política da direita
Identitários querem censurar estudo que constata a situação inferior da mulher na academia alegando que isso é machismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
censura
Cultura do cancelamento é manobra para tornar a censura palatável | Foto: Reprodução

Identitários querem cancelar um estudo acadêmico sobre impacto de mulheres no desempenho científico. O estudo é do campus Abu Dhabi da Universidade de Nova Iorque e causou “polêmica” nas redes sociais, onde feministas identitárias têm pedido um “cancelamento” editorial da publicação na revista Nature Communications.

O motivo do pedido de cancelamento do artigo (“A associação entre mentoria informal em colaborações acadêmicas de início de carreira e desempenho do autor júnior”) é um trecho do artigo que afirma: “Nosso estudo […] sugere que protegidos do sexo feminino que permanecem na academia colhem mais benefícios quando recebem mentoria de homens do que de mulheres com igual impacto”. 

No caso, o que o artigo diz é que as mulheres são mais citadas na academia quando seus estudos/pesquisas são coordenados por homens. Isto é, trata-se simplesmente de uma constatação, que na realidade mostra a posição inferior da mulher na sociedade capitalista – isto ocorre mesmo no meio acadêmico, num setor mais privilegiado da população.

Por pressão dos identitários, que querem censurar o artigo, a revista teve de adicionar notas críticas ao artigo e o manuscrito original foi bastante alterado (com a concordância dos autores). Setores mais “radicais” do identitarismo, porém, têm se manifestado no sentido de jogar o trabalho no lixo. Estes grupos têm falado que com a constatação feita pelo artigo as mulheres da academia irão chegar à conclusão de que deve-se buscar mentores homens se quiserem ter sucesso na carreira. Por isso, o artigo seria “machista”.

No fundamental, censurando o texto ou não, a situação de opressão da mulher dentro do meio acadêmico não irá mudar em nada e o que foi relatado pelo artigo vai continuar sendo realidade. Censurar o texto apenas é uma medida que vai servir para encobrir a situação da mulher, ajudando a atrasar a consciência das mulheres sobre sua péssima condição na sociedade.

É a política tipicamente identitária: quando não se tenta modificar a realidade com superficialidades, busca-se censurar. Vale destacar a política do identitarismo que quer banir o uso de alguns termos pejorativos ou policiar quem faz comentários/piadas/artigos “moralmente incorretos” – indo ao ponto do movimento identitário realizar uma verdadeira aliança com a direita para censurar artistas, comediantes, políticos… sempre com um “bom motivo”.

Alguns setores pedem mais repressão para estupradores, por exemplo, acreditando que assim a causa dos estupros será extinta. Quando não se trata de aumentar penas para crimes já existentes, busca-se criar novos crimes, como por exemplo multar homens que assobiarem para mulheres nas ruas. Trata-se de um política extremamente direitista que não resolve em nada o problema da mulher, que surge da propriedade privada dos meios de produção, tendo sido a opressão do homem sobre a mulher o primeiro fenômeno da sociedade de classes.

No caso do artigo mencionado, não há nada nem que possa ser considerado “moralmente incorreto”. É apenas uma constatação que mostra a situação inferior da mulher dentro da academia. Agora, imaginemos que fosse um artigo (pseudo)científico que “comprovasse” a inferioridade da mulher. Mesmo neste caso não seria bom a censura. O melhor seria refutar o artigo com argumentos concretos.

Com o clima policialesco que os identitários geram, os principais prejudicados serão principalmente os oprimidos. O caso de Mari Ferrer (por mais que o PCO não defenda ir às ruas pedir prisão, reforçando o punitivismo) mostrou que empresários não são punidos por seus atos. “O crime do rico a lei o cobre, o Estado esmaga o oprimido”, afirmou o hino operário “A Internacional” no século XIX. E isso continua valendo até hoje. Neste caso específico, só favorece a censura dentro do meio acadêmico. E assim, a extrema-direita e o imperialismo agradecem.

Finalmente, colocar o problema neste âmbito apenas joga poeira nos olhos das mulheres. O correto seria usar os dados do texto para mostrar a situação da mulher e reforçar o argumento de que as mulheres precisam se organizar em comitês, coletivos e partidos para mobilizar pelos seus direitos e lutar contra o real motivo da opressão.

Por isso, a política do PCO é totalmente contrária à censura e ao punitivismo e, assim, é totalmente oposta da promovida pelo identitarismo. Para o PCO, os problemas das mulheres são reais e não devem ser escondidos. As mulheres são inferiorizadas no sistema atual e para derrotar o sistema, é preciso combatê-lo. É nesse sentido que o partido tem o Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo, para reunir as operárias e lutar junto aos operários no sentido de reivindicações reais, sem esconder a situação.

O coletivo se reúne semanalmente, realiza manifestações, palestras e debates, publica panfletos e revistas etc. Esse é o caminho para organizar as mulheres em torno do poder político e reverter a situação opressiva em que são subjugadas. Contra a censura, o debate; contra o punitivismo, a luta contra o Estado capitalista; contra os privilégios de algumas mulheres que se beneficiam da política identitária, a revolução proletária.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas