IBGE: Bolsonaro já tirou o emprego de 900 mil trabalhadores; subempregados são quase 28 milhões, maior número desde 2012

Desemprego-fila

Da redação – O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou na manhã de hoje (29) o número oficial de desempregados no trimestre encerrado em fevereiro. São 892 mil trabalhadores sem emprego a mais do que em novembro do ano passado, um aumento de 11,6% para 12,4%, chegando a 13,1 milhões de trabalhadores desempregados.

Além disso, o instituto divulgou o total de trabalhadores subutilizados (desempregados, subocupados com menos de 40 horas de trabalho semanais e os que não conseguem procurar emprego). São 27,9 milhões de pessoas nessa condição, o que representa 24,6% da força de trabalho nacional, “pico da série histórica iniciada em 2012”, observa o IBGE.

Esses dados batem com o período de governo de Bolsonaro, o fascista “eleito” na maior fraude eleitoral da história. Ele foi imposto pela burguesia para devastar os direitos dos trabalhadores, dentre eles o emprego digno, e em seus primeiros três meses de governo de extrema-direita aumentou o já altíssimo número de desempregados.

Os trabalhadores, que se encontram em uma situação cada vez pior devido aos ataques deste governo fraudulento, têm consciência de que ele é seu inimigo. Na última terça-feira (26), por exemplo, desempregados gritaram “Lula Livre” na fila no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, na qual 15 mil pessoas disputavam 6 mil vagas de emprego. Nota-se, claramente, o total repúdio à direita, ao golpe  e a Bolsonaro, uma vez que Lula e a luta por sua liberdade são o exato contraponto a toda a política de ataques levada a cabo pelos golpistas de extrema-direita.