Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
al shifa
|

Ontem, 14 de maio, foi o dia mais violento e letal desde 2014 do genocídio contínuo que Israel impõe ao povo palestino. Foram 60 mortos e quase 3 mil feridos. Entre os mortos, uma bebê de oito meses, Leila Al Gandhour. Hoje, no aniversário de 70 anos da Nakba, catástrofe, o êxodo forçado de mais de 700 mil palestinos em 1948, por ocasião da fundação de Israel, a violência continuou. Já são mais dois mortos e quase 500 novos feridos.

Por conta da brutalidade da repressão israelense e do número de palestinos feridos, o hospital Al Shifa, na Cidade de Gaza, está à beira do colapso. Desde o dia 30 de março, quando os protestos da Marcha do Retorno começaram, já foram 109 palestinos mortos e 12 mil feridos

Na terça-feira, ápice da repressão nos últimos meses, os corredores do hospital de Al Shifa ficaram lotados, assim como os cômodos, cheios de feridos em meio à confusão, entre médicos correndo de um lado para o outro e famílias chorando seus mortos. Al Shifa é o principal hospital da Cidade de Gaza, maior cidade palestina, com 450 mil habitantes.

Segundo o chefe do departamento de emergência do hospital, Ayman Al Sahabani, entrevistado pela Al Jazira, o hospital chegou a receber 500 feridos de uma vez. “Muito mais do que nossa capacidade”. Além da superlotação, os médicos palestinos também têm dificuldades com a escassez de recursos e suplementos. Sahabani denunciou que os ferimentos mais graves foram causados por fragmentos de explosivos e munição letal.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas