Mesmo com autorização da lei

Hospital da UFES se recusa a realizar aborto de criança estuprada

Extrema-direita insiste em destruir o minimo de direito de proteção às vitimas de estupro, já conquistados

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Criança anônima – Foto: Ednilson Aguiar

Publicidade

A criança de 10 anos de idade, que há mais de quatro anos vem sendo estuprada pelo tio, tendo como última consequência desse ato a gravidez, conseguiu expelir o feto espontaneamente na última segunda-feira (17), após a indução iniciada na noite anterior (16) pela equipe médica do Cisam (Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros), ligado à UPE (Universidade de Pernambuco), no Recife.

Segundo coordenadora de enfermagem do Cisam, Benita Spinelli, a criança está acompanhada da avó e de uma assistente social que veio do Espírito Santo, e passou por uma avaliação multiprofissional que deve analisar a necessidade de retirar os últimos vestígios do feto por meio de uma curetagem. Spinelli conta que o processo de aborto demora horas e que tudo está correndo como esperado.

A menina passou pelo procedimento no Recife após o Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes, em Vitória, se negar a realizar o aborto, mesmo com autorização judicial, o que torna o caso muito mais sinistro.
No artigo 128, está muito claro as condições onde a pessoa tem por lei, o direito ao aborto:
I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante;
Aborto no caso de gravidez resultante de estupro
II – se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.

Está muito nítida a ação orquestrada pela extrema-direita, que está a todo custo tentando impedir os abortos “legais” — as aspas são pelo fato de que todos os casos deveriam ser legais perante a lei. Os fascistas insistem em querer impedir o procedimento, como se tivessem algum direito de intervir na liberdade individual de um ser humano. Mas o que é mais impressionante é que esses mercenários da direita golpista em momento algum repudiam o ato do estuprador pedófilo. A pedofilia que essa gente tanto diz combater, em momento algum entra na pauta deles, quando de fato precisa ser combatido.

O direito ao aborto, independente do caso, deve ser um direito da mulher por praticá-lo ou não, e o atual caso não era nem para estar sendo discutido. Estamos falando de uma criança que há anos sofre com abuso sexual, sofrendo com a maior violação que um ser humano pode sofrer.

O que precisa ser colado em pauta, são as contradições dessa hipócrita extrema-direita, que é contra a intervenção estatal quando um cidadão precisa de medidas de assistência social, mas é totalmente favorável à intervenção em práticas que a escolha deve ser exclusiva da mulher.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Mais Lidas
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTT

Bolsonaro vai usar Força Nacional para defender latifúndio - Programa de Índio nº 84 - 16/06/21

0 Visualizações 4 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend