Menu da Rede

A quem serve a política de gado da esquerda sobre o voto impresso

Declínio do Brasil

Honda é 8ª montadora a paralisar diante da crise capitalista

Crise que se expressa na paralisação temporária da produção ou no fechamento de empresas é mais séria e grave do que se anuncia

Muitas marcas, mas poucas empresas – foto: Reprodução

A Honda foi a oitava montadora a suspender a produção por causa da pandemia do cornavírus. A interrupção será primeiramente de 30 de março a 9 de abril, devendo retomar a produção em 12 de abril. Antes dela a Toyota, Nissan, Volkswagen, Mercedes-Benz, Renault, Volvo e Scania (Brasil 247, 26/3/21). Todas informam que isso se deve ao agravamento da pandemia do coronavírus no Brasil. Mas estão manifestando algo mais grave. A Ford e a Mercedes-Benz pararam definitivamente de fabricar automóveis no Brasil. Isso se falarmos somente da crise nas montadoras, em outros ramos o fechamento e a debandada também é forte. A Sony, gigante mundial no ramo de eletrônicos vai parar de produzir no país, a Virgin Atlantica anunciou que retirou o Brasil de seus planos de voo, entre outros exemplos.

No caso das montadoras, elas hoje em dia fazem seus planos articulando suas empresas no mundo inteiro, em um complexo intricado de associações entre elas e bancos e expressam um profundo processo de reestruturação com a introdução de novos processos de comercialização e financiamento de seus produtos e com o anunciado fim do domínio dos motores de combustão interna.

Apesar de existirem dezenas de marcas, elas estão cada vez mais fazendo parte de poucos conglomerados industriais-financeiros mundiais. A crise capitalista que se iniciou em 2008 como uma crise financeira, na verdade ainda não terminou. Mesmo que se apresente como uma sequência de crises, representa um processo de forte declínio do capitalismo, que se alicerça cada vez mais em sua expressão financeira improdutiva e imaginária de um processo de valorização do capital por ele próprio em especulações de bolsas de valores às vezes representadas em ações de empresas, em outras vezes em apostas sobre preços futuros de mercadorias e de outras ações.

Se todos os proprietários de ações fossem vender seus papéis, não haveria dinheiro no mundo para comprá-los, ainda mais se estivessem nesse pacote de vendas todos os contratos do mercado futuro ou derivativos.

Na reestruturação das empresas em meio à crise capitalista, alguns mercados sofrem mais que outros, perdendo centenas de milhares de empregos com o fechamento de fábricas, quer porque suas matrizes resolveram que é melhor concentrar a produção em outros países, quer porque as empresas nacionais são compradas por empresas estrangeiras e essas resolvem levar a produção para seus próprios países. No caso brasileiro estamos vendo a duas coisas ocorrerem. Após o golpe de 2016, que cada vez fica mais claro que foi um processo gerido a partir dos EUA, tivemos a retomada acelerada do processo de desindustrialização brasileira, que já vinha ocorrendo há pelo menos duas décadas, com interrupção durante o governo Lula.

O fatiamento da Petrobras para venda aos concorrentes é um símbolo dessa derrocada, mas antes tivemos a venda da Embraer, financiada pelo BNDES, para a Boeing, que levou quase toda a produção para o exterior, e com ela as empresas de forte conteúdo tecnológico do polo de São José dos Campos ou foram juntas ou entraram em declínio desempregando centenas de engenheiros altamente especializados formados pelas universidades paulistas. O mesmo ocorreu com a indústria naval, que tem sofrido a maior queda de sua história, passando o país a encomendar navios e plataformas petrolíferas ao exterior. Isso sem falar no polo de microeletrônica e semi-condutores do Rio Grande do Sul.

Exemplos não faltam. Porém, a imprensa burguesa procura atribuir estas paralisações e fechamentos apenas à pandemia, como forma de mascarar a crise capitalista, que se agravou com ela. Omitem também que por trás desses fechamentos e paralisações de fábricas estão centenas de milhares de empregos que serão suspendidos ou mesmo destruídos. Os empregados, desde os de menor qualificação até os de maior especialização, especialmente aqueles que estão acima dos 50 anos de idade, jamais voltarão ao mercado de trabalho em áreas semelhantes ou com salários iguais aos que tinham. A maioria vai para empregos fora de suas áreas de especialização e recebendo menos da metade do que ganhava antes. É isso o que está ocorrendo em grandes centros urbanos e em regiões polos de tecnologia.

No caso brasileiro, esse desemprego em massa promove o extermínio ou destruição de uma parte importante das forças produtivas, que se materializam na capacidade técnica dos trabalhadores especializados da grande indústria (automóveis, naval, petróleo-gás) e das empresas altamente especializadas (aeroespacial, petroquímica, semi-condutores). Como no caso da pandemia, não se trata de uma fatalidade, mas sim da política entreguista, anti-nacional e retrógrada dos golpistas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.