Aprendendo das nossas lutas
Programa Análise Sindical da COTV apresentará importante debate sobre as lutas operárias desde o seu aparecimento no País, no século XIX
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
greve-operaria-i-republica
Greve geral de 1917 - Brasil | Memória Sindical

A partir desta quarta-feira, o programa da COTV, Análise Sindical, passará a apresentar no bloco destinado à Teoria e História do Movimento Operário, que faz parte do programa, o resgate dos principais acontecimentos que marcaram a luta dos trabalhadores no Brasil.

Além do aspecto histórico, a importância do tema está ditada pelo refluxo da classe operária brasileira e também mundial que já dura mais de 30 anos, como consequência da destruição das economias causada pela política neoliberal e uma absoluta dissociação entre as lutas do passado que propiciaram conquistas importantes para a classe operária brasileira e a paralisia que tomou conta dos sindicatos no curso dessas três últimas décadas.

Nos últimos anos, salvo uma ou outra greve que em algum momento chegou a ameaçar  colocar em xeque a política de contenção do movimento por parte dos governos, dos patrões e suas instituições, a característica central do movimento foi o enterro das lutas por parte da burocracia sindical no cemitérios dos tribunais trabalhistas, o que impôs um retrocesso às condições de vida das massas em décadas. Pode-se dizer que a última grande greve no Brasil foi a dos petroleiros ocorrida em 1995, no início da implantação do neoliberalismo no País, durante o primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso.

A importância dessa discussão vai muito além das críticas que necessariamente devem ser feitas a essa ou àquela política que determinou o rumo de uma greve, mas, principalmente, discutir a participação da classe operária em momentos decisivos da luta de classes no Brasil. 

Vários exemplos poderiam ser dados, nesse sentido, como o caso da participação da classe operária nos anos 20 e  na revolução  30 – a luta que havia por direito as férias remuneradas, o descanso semanal também remunerado, a jornada de 8 horas, o trabalho infantil, entre outros pontos fundamentais objetos, hoje, de destruição pelos governos neoliberais, e muito acentuados a partir do golpe de 2016.

A política trabalhista aprovada na Constituição de 1934, como uma tentativa do governo manobrar com as lutas e reivindicações operárias, o que se seguiu  com o golpe de Estado de Getúlio Vargas, em novembro de 1937, que instituiu o Estado Novo, com a promulgação  de uma nova Constituição baseada nas leis fascistas da Itália, entre elas, o atrelamento dos sindicatos ao Estado, subordinando-os ao Ministério da Justiça. É também durante o Estado Novo, em 1943, que foi estabelecida a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O controle estatal dos sindicatos, que existiu desde então, será derrotado pelo  ascenso operário a partir do final dos anos 70, mas, principalmente dos anos 80, fundamental para a derrubada da ditadura, pela criação da CUT e em menor medida do Partido dos Trabalhadores.

Nos anos seguintes, na medida em que o refluxo do movimento operário foi se aprofundando, a burguesia tratou de, passo a passo, ir normatizando as leis presentes na Constituição de 1988, propositalmente deixadas como lacunas para que pudessem ser inscritas em momento mais oportuno, como é o caso da lei de greve, abrindo caminho para que os reacionários  tribunais do Trabalho (Federal e estaduais) se transformassem em  árbitros de toda greve dos trabalhadores no País.

Esse é um pouco da discussão que o programa Análise Sindical trará todas as quartas-feiras, às 19 horas, na COTV, iniciando a história desde o incipiente processo de industrialização, no século XIX, o seu crescimento a partir da década de 70, as primeiras lutas, o aparecimento das primeiras organizações, impulsionadas por imigrantes europeus, na sua quase totalidade, sob influência do anarquismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend