História do samba é tema de exposição no museu de arte do Rio

Rio Samba

Esse ano o MAR – Museu de Arte do Rio – terá em seu prédio a exposição “Rio Samba: resistência e reinvenção”. A exposição, segundo um dos curadores Nei Lopes, é baseada no seu Dicionário da História Social do Samba que foi feito em parceria com o vencedor do Prêmio Jabuti Luiz Antônio Simas. Segundo o site do museu, os curadores, que além de Nei Lopes são Evandro Salles, Clarissa Diniz e Marcelo Campos, teriam reunido cerca de 800 itens.

Rio Samba contará com amostras de artistas renomados diversos: Candido Portinari, Di Cavalcanti, Heitor dos Prazeres, Guignard, Ivan Morais, Pierre Verger e Abdias do Nascimento, assim como fotografias de Marcel Gautherot, Walter Firmo, Evandro Teixeira, Bruno Veiga e Wilton Montenegro; e diversos outros artistas.

Haverá cinco obras interativas comissionadas pelo museu, uma delas é a instalação interativa criada por Leandro Vieira, carnavalesco da mangueira, e Evandro Neto.

O MAR separou a exposição em 3 partes: “Da herança africana ao Rio negro”, “Da Praça XI às zonas de contato” e “O Samba Carioca, um patrimônio”. Essa divisão tem o intuito de explicar os diferentes momentos históricos e acontecimentos sociais que transformaram o samba no que ele é hoje. A primeira retrataria a chegada dos escravos no Brasil, que trouxeram consigo toda sua cultura oriunda de diferentes partes da África, e que pela fusão desses povos engendrou a cultura brasileira. A segunda fala sobre o crescimento urbano carioca e sobre a era de difusão do samba pelas rádios nacionais. E por último temos O Samba Carioca, um patrimônio, que aborda a importância do samba para as comunidades reafirmarem suas origens e suas histórias, assim como a evolução da indústria fonográfica.

É uma exposição imperdível que ocorrerá principalmente no 3º andar do Museu de Arte do Rio, para mais detalhes acessar: https://www.museudeartedorio.org.br/pt-br/exposicoes/proximas?exp=5111