Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Catedral-Porto-Principe-Haiti
|

Da redação – Na última quinta-feira (7) o clima político do Haiti amanheceu mais tranquilo na capital Porto Príncipe. O país vive há alguns meses uma intensa revolta popular contra a política de miséria levada adiante pela direita, capanga do imperialismo, sob o governo de Jovenel Moise.

As escolas e serviços públicos estiveram abertos. Haviam mais carros nas ruas e o transporte coletivo voltou a funcionar. Porém a revolta contra o governo continua, os manifestantes querem a derrubada do governo de Moise.

A esquerda haitiana, que tem como representante o agrônomo e ex-candidato às eleições presidenciais, Chavanne Jean Baptiste (CJB), líder do movimento camponês, Mouvman Peyizan Papay, teve uma atitude moderada e disse que as manifestações da quinta estava precipitadas. Porém, CJB chamou uma frente única da oposição contra o atual governo.

O líder de esquerda, que é perseguido pela direita – que inclusive tentou assassiná-lo; declarou que “o período de diálogo com o governo terminou”. Entre as demandas do manifestantes estão: a diminuição dos preços e a renúncia do governo, que pressionado pelos manifestantes “anunciou recentemente a suspensão de impostos de 60 mil toneladas métricas de arroz, para contrapor seu preço no mercado interno”, segundo a Prensa Latina.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas