20/03/1941
Em 20 de março de 1941, há 80 anos, Monteiro Lobato foi preso preventivamente, acusado de crime contra a segurança do Estado e a ordem social, por supostamente injuriar os poderes públicos e os agentes públicos

Por: Redação do Diário Causa Operária

Em 20 de março de 1941, há 80 anos, o escritor Monteiro Lobato foi preso preventivamente, acusado de crime contra a segurança do Estado e a ordem social, por supostamente injuriar os poderes públicos e os agentes públicos. Monteiro Lobato, além de autor de renome, tinha longo histórico de defesa das posições nacionalistas, principalmente nos temas do ferro e do petróleo.

Monteiro Lobato

Nascido na cidade de Taubaté, Província de São Paulo, em 18 de abril de 1882, em uma família abastada, foi um foi relevante escritor, ativista político, diretor e produtor brasileiro. Desde muito novo demonstrava vocação para escrita, tendo contribuído com inúmeros jornais e entre outras publicações por praticamente toda vida.

Teve sua formação como  bacharel em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo, no Largo de São Francisco,. Logo após formar-se, regressou a Taubaté, onde passou a ocupar interinamente a promotoria local. Embora tenha trabalhado a vida toda com jornais, inclusive de grande porte, sua fama iniciou-se em 1914 com o artigo intitulado Velha Praga, publicado no jornal O Estado de S. Paulo. O artigo foi bastante polêmico, com críticos como o folclorista Cornélio Pires e apoiadores como Rui Barbosa.

Em 1918, viria a adquirir a Revista do Brasil. Nessa época, torna-se um intelectual engajado na causa nacionalista, sempre mantendo espaço para novatos e os artistas modernistas. Lobato repetia que “livro é sobremesa: tem que ser posto debaixo do nariz do freguês”, transformando os livros como produto de consumo, trazendo várias inovações, inclusive uma política de distribuição com vendedores autônomos e distribuidores espalhados por todo o país.

Logo viria a fundar a editora Monteiro Lobato & Cia — futuramente a Companhia Editora Nacional —, tendo uma intensa produção literária nesse período. Em 1927, é nomeado adido comercial nos Estados Unidos pelo recém-empossado Washington Luís.

Nos EUA, Lobato ficou maravilhado com o desenvolvimento capitalista e voltou sua atenção para as questões do petróleo e ferro, planejando a fundação da Tupy Publishing Company. Nessa época. ele também chegou a organizar uma empresa brasileira para produzir aço pelo processo Smith. Envolvido com a Bolsa de Valores de Nova Iorque, perdeu tudo que tinha na crise de 1929, acabou retornando a São Paulo em 1931, defendendo que o progresso brasileiro seria baseado  no “tripé” do ferro, do petróleo e das estradas para escoar os produtos.

Ao retornar ao Brasil, Lobato fundou diversas empresas visando a perfuração e extração de petróleo. Contrariando os interesses imperialistas, essa ações iniciaram uma luta que tomou a saúde, as poses e muito da felicidade de Monteiro Lobato. Mesmo com todas as dificuldades, seu trabalho literário continuou a evoluir, sofrendo em decorrência disso a censura da Igreja Católica, sendo atacada pelo padre Sales Brasil com o libelo “A literatura infantil de Monteiro Lobato ou comunismo para crianças” e de alguns países como Portugal.

Nessa época, o seu dossiê O Escândalo do Petróleo (1936), que denunciava o governo por “não perfurar e não deixar que se perfure”, teve várias edições esgotadas antes de ser proibido pelo governo de Getúlio Vargas.

A prisão

Em 24 de maio de 1940, em plena Ditadura do Estado Novo, Monteiro Lobato escreveu uma carta ao presidente Getúlio Vargas, seguida de outra ao general Góes Monteiro, chefe do Estado-Maior do Exército, ambas fustigando a “displicência do sr. Presidente da República, em face da questão do petróleo no Brasil, permitindo que o Conselho Nacional do Petróleo retarde a criação da grande indústria petroleira em nosso país, para servir, única e exclusivamente, os interesses do truste Standard-Royal Dutch”.

As cartas eram uma clara denúncia da política do Conselho Nacional do Petróleo (CNP) de perseguição sistemática às empresas nacionais, colocando “embaraços legais” à exploração do subsolo. Sendo o tiro de misericórdia nas moribundas companhias nacionais as exigências estabelecidas no Decreto nº 2.179, de 8 de maio de 1940.

Em 17 de dezembro de 1940 o general Júlio C. Horta Barbosa, Presidente do CNP, oficiou ao Presidente do Tribunal de Segurança Nacional, com o seguinte teor: “Por várias vezes se serve o autor da carta (Monteiro Lobato) do seu argumento ‘Qui Prodest?’ (A quem aproveita?), para sustentar que a política do Conselho é conduzida segundo os interesses dos trustes internacionais, pois que só a estes aproveita...

Nessas condições, parece ocorrer o crime previsto no Decreto-Lei nº 431, de 18 de maio de 1938, artigo 3º, nº 25. Se assim entender V.Excia., solicitará as providências legais para apuração da responsabilidade do autor da carta em apreço.”

O Ministro F. de Barros Barreto, Presidente daquela Corte de Exceção, em 6 de janeiro de 1941 solicitou ao Chefe de Polícia de São Paulo a abertura de inquérito. Em 27 de janeiro de 1941 a Superintendência de Segurança Política e Social de São Paulo procedeu a uma busca e apreensão.  

O inquérito foi concluído pelo delegado Rui Tavares Monteiro, em 1 de fevereiro de 1941, afirmando que “constituiria, sem dúvida um crime de lesa-pátria, que comprometeria o próprio Governo Federal, de que ele é representante”. No inquérito Lobato, afirmou que “o Conselho não passava dum ingênuo instrumento do imperialismo da Standard”.

Em 18 de março de 1941, o Procurador Gilberto Goulart de Andrade requereu a prisão preventiva, após ter se pronunciado nos autos: “À vista do exposto, é de concluir-se que José Bento Monteiro Lobato está incurso no artigo 3º, inciso 25 do Decreto-lei nº 431, de 18 de maio de 1938, sujeito à pena de seis meses a dois anos de prisão”. Dois dias depois, em 20 de março, Monteiro Lobato foi preso na Casa de Detenção de São Paulo.

Os advogados de defesa de Monteiro Lobato demonstraram as enormes contribuições de Lobato ao País, bem como a não incidência do crime de injúria, visto que o teor das cartas não foi divulgado. Em 8 de abril de 1941, o Cel. Augusto Maynard Gomes, Juiz do Tribunal de Segurança Nacional, proferiu a sentença absolutória.

Entretanto o Tribunal Pleno, onde a acusação recorreu reformulou a sentença:  “para condenar José Bento Monteiro Lobato à pena de seis meses de prisão, grau mínimo do artigo 3º, inciso 25, do Decreto-lei nº 431, de 1938, reconhecida, na ausência de agravantes, a ocorrência da circunstância atenuante de exemplar comportamento anterior”.

Monteiro Lobato foi libertado apenas em 20 de junho de 1941, após indulto em 17 de junho de 1941 do Presidente da República, perdoando-lhe o restante da pena imposta.

Send this to a friend