Revolução egípcia
Em 20 de fevereiro de 1901, há 120 anos, nasceu Muhammad Naguib, uma das principais lideranças do movimento revolucionário egípcio.
Nasser_and_Naguib,_1954 (1)
Naguib e Nasser durante as comemorações do segundo aniversário da revolução, julho de 1954 | Foto: Reprodução
Nasser_and_Naguib,_1954 (1)
Naguib e Nasser durante as comemorações do segundo aniversário da revolução, julho de 1954 | Foto: Reprodução

Em 20 de fevereiro de 1901, há 120 anos, nasceu Muhammad Naguib, uma das principais lideranças do movimento revolucionário egípcio. Naguib foi convidado por Gamal Abdel Nasser a assumir a liderança do Movimento de Oficiais Livres, tendo destaque nesse momento revolucionário do país.

Sua origem

Mohamed Naguib Yousef Qotp Elkashlan, nasceu em Cartum no Sudão, filho do militar egipicio Youssef Naguib e da sudanesa Zohra Ahmed Othman. quando criança Naguib teve sua formação inicial no ambiente sudanês, tendo a companhia de animais silvestres como avestruzes e macacos.

Mesmo demonstrando desde cedo interesse na vida militar, por orientação do país que considerava os militares egípcios da época como auxiliares dos britânicos, Naguib seguiu inicialmente como tradutor e posteriormente formou-se em direito. O pai de Naguib além indica que ele serviria melhor o Egito na vida civil, ele fez Ibrahim Urabi, filho do revolucionário Ahmed Urabi conversa com Naguib e adverti-lo a não ingressar no exército porque seria “um supervisor a serviço do Britânico”.

Naguib seguiu na vida acadêmica, fazendo mestrado em ciências políticas e outro mestrado em direito civil, entretanto nunca terminou o doutorado, tinha ingresso no exército e sua carreira estava em ascensão. 

A onda revolucionária

Após a segunda guerra mundial, iniciou-se uma onda revolucionária no Egito, essa acabou por se intensificar como um reflexo negativo da criação do Estado de Israel. Esse efeito foi sentido em todo o mundo árabe, que sentia o início do enclave imperialista na região.

Em uma política vergonhosa Stalin buscando bons termos com o imperialismo apoio a formação Estado de Israel, fornecendo abundantes armamentos novos. Esse foi um dos principais motivos que levou a derrota do exército egípcio na Guerra Árabe-Israelense de 1948. Naguib ainda apontaria que os soldados egípcios não conseguiam decifrar as comunicações israelenses, passando a estudar hebraico após esse acontecimento.

A derrota para as forças israelenses acabou por aprofundar a crise do Estado da dinastia de Muhammad Ali no Egito e Sudão. A monarquia já estava extremamente desgastada por anos de dominação britânica e problemas internos.

A revolução de 1952

Em julho de 1952, o movimento Oficiais Livres antecipa em 3 anos seus planos e inicia a Revolução egípcia de 1952. Neste golpe de Estado o Rei Farouk é deposto e Naguib é nomeado Comandante-em-Chefe do Exército. Em setembro, Naguib foi nomeado primeiro-ministro do Egito e Nasser como Ministro do Interior. 

Inicialmente os revolucionários se colocavam apenas contra ao governo corrupto de Farouk, havendo a sucessão de Fuad II para evitar uma intervenção britânica. Mas com apenas 11 meses de governo, 18 de junho de 1953, Naguib extinguiu a monarquia egípcia e sudanesa e o estabelecimento da República do Egito.

Nesse  momento se desenvolve uma luta interna no movimento expressa entre Naguib e Nasser. Como desenvolvimento desse conflito, Naguib acaba destituído dos seus cargos e é sentenciado a prisão domiciliar, da qual só é libertado após 18 anos no governo de Anwar Sadat em 1972.

O governo de Nasser desenvolve uma política nacionalista desafiando vários imperialismo, como no caso em que assumiu o controle do Canal de Suez. O Nasserismo acaba por se tornar um ponto central dos povos árabes, ameaçando o controle imperialista sobre a região.

Relacionadas
Send this to a friend