A “democracia” do imperialismo
A intervenção imperialista na Líbia resultou na morte de centenas de milhares de pessoas e na destruição da infraestrutura do país; a apropriação do petróleo líbio era o objetivo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
OTAN CIMEIRA
Reunião de cúpula da Otan onde se planejou a intervenção imperialista na Líbia | Foto: Reprodução

A intervenção imperialista na Líbia, em 2011, com apoio da ONU e das tropas da Organização Tratado do Atlântico Norte (OTAN), resultou na queda do governo nacionalista de Muammar Gaddafi e na abertura do país para a penetração do capital estrangeiro, particularmente na área de extração de petróleo. A Líbia tem a sétima maior reserva petrolífera do mundo e a renda decorrente da venda do óleo era a base do crescimento econômico e distribuição de renda. O povo líbio desfrutava de condições de vida e infraestrutura superiores a diversos países, como o Brasil.

Com a queda de Gaddafi e sua execução, teve início uma guerra civil que se prolonga há 9 anos e que deixou um saldo de destruição do país e centenas de milhares de mortes. De acordo com a ONU, atualmente 20% da população líbia necessita de ajuda humanitária para sobreviver, 43 mil líbios já solicitaram refúgio em outros países e mais de 90% dos refugiados que atravessam o Mar Mediterrâneo em direção ao continente europeu saem deste país norte-africano.

A guerra civil é influenciada pela intervenção de potências estrangeiras, que buscam atuar para constituir um governo satélite aliado e, sobretudo, se apropriar do petróleo líbio. Dois grupos armados disputam o controle sobre o território, o Governo de Acordo Nacional (GAN), reconhecido pela ONU como governo oficial, e o Exército Nacional Líbio (ENL). A capital Trípoli está controlada pelo GAN.

Os Estados Unidos classificavam o governo Muammar Gaddafi como integrante do “Eixo do Mal”. Isso significava que este seria alvo de intentonas golpistas por parte do imperialismo norte-americano, que, por sua vez, conseguiu realizar a intervenção militar pela via da OTAN na esteira da Primavera Árabe. Os americanos se aproveitaram da situação convulsiva do norte da África e do Oriente Médio para avançar nos planos de golpe de Estado sobre os governos de tipo nacionalista, que eram vistos como um obstáculo para seus interesses estratégicos.

O exemplo da Líbia é ilustrativo das consequências catastróficas de uma intervenção imperialista, levada adiante sempre com o pretexto de defender “a democracia” em abstrato e libertar os povos “de uma ditadura”. Qualquer contradição que tenha o governo Gadaffi, em nada se pode comparar com a realidade da dominação imperialista, responsável por generalizar a miséria, matar centenas de milhares de pessoas e destruir toda a infraestrutura – escolas, hospitais, rodovias, sistema hídrico, indústrias, moradias – do país.

A guerra civil líbia pode ser colocada na conta do imperialismo e registrada em seu extenso prontuário de crimes contra a humanidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas