Menu da Rede

É preciso intensificar campanha por novas mobilizações

Violência Policial

Guarda Municipal reprime vendedor e população se revolta

Agentes de repressão, policiais do Rio de Janeiro fazem ação bruta revestida de legalidade para executarem a política genocida da Direita, gerando revolta popular e resistência.

Vendedor sobe em carro dos policiais para retirar seus produtos sob tutela da população que rodeou os agentes – Foto: Internet

Nos tempos idos de nossa sociedade capitalista, quando a fantasia do Estado Democrático de Direito estava em alta via de conciliação com a burguesia, imperando a política do Centro, havia uma série de Leis e Decretos regendo a necessidade de cadastramento de trabalhadores, os chamados camelôs, para o trabalho legalizado nas ruas.

No geral vendendo alimentos ou pequenas bugigangas, esses trabalhadores conseguem alimentar suas famílias e progredirem com um mínimo de civilidade no sistema capitalista, pagando impostos e livres em sua atuação.

Mas agora a conciliação se foi. Os policiais, quase na totalidade Bolsonaristas, parasitas que são pelo serviço burocrático unicamente para a repressão da população, seu controle e aceite da política imposta pela burguesia, estão se sentindo livres para humilhar e praticar roubos descarados, disfarçados de apreensões legais.

Isso sempre aconteceu, é verdade, pois a existência da polícia como órgão de repressão os transforma em verdadeiros inúteis fora dessa atividade, gerando oportunidades para “carteiradas”, furtos e roubos sob a proteção da farda, que lhes outorga uma visão corporativista de permissão para atos arbitrários.

Todo ato legal, realmente legal de apreensão por infração, mesmo extremamente polêmico e sempre questionável, tinha, nos tempos da conciliação de classes, do capitalismo bonzinho sem máscara fascista, a escrita detalhada dos objetos num Auto de Apreensão, para que o multado ficasse com a cópia para ter condições de recolher seus produtos, no caso de ilegalidades no exercício da atividade de venda.

Após decreto ilegal, pois afronta a constituição além de ser ilógico e sem mérito algum, a prefeitura do Rio de Janeiro liberou sua força policial para apreensões de camelôs oficialmente registrados, o que prova que, realmente, não há mais regra imperando a relação de convívio. Há força do Estado contra o Cidadão.

Mas conforme matéria de Rafaela Cascardo, repórter da Band News Fm, em 10/04/2021, a ação passou vexame e deu totalmente errada em razão da reação popular. O ato foi inclusive filmado, registrando primeiramente a reação indignada do vendedor de água de coco, com crachá no pescoço, carrinho em ordem, verde e amarelo, com sua bandeira do Brasil esticada, prontinha para satisfazer os turistas de Copacabana ou mesmo os bacanas dessas calçadas da região nobre da cidade do Rio de Janeiro.

A reação do trabalhador foi tão legítima, intensa, que fez uso de corpo a corpo para defender seu trabalho e assim acordou a população transeunte o defendendo e pedindo calma aos policiais, que de cassetetes nas mãos, após surra do vendedor, cidadão forte e decidido, apresentaram armas de fogo em punho, inclusive submetralhadoras, assim intimidando a todos, mas nitidamente apreensivos com possíveis resultados negativos.

A população tem um poder incrível, inclusive, caso se organize, poderá eliminar essas instituições repressoras, de parasitas pagos com seus impostos para satisfação da classe média bolsonarista, enfraquecendo assim os super ricos que dependem dessas instituições sangue sugas para impor sua política que avança sobre os direitos democráticos da população.

A burguesia compreendeu a pandemia como oportunidade ímpar para passar o boi, a boiada e assim impor suas políticas para a pilhéria e escravidão do Povo, administrando a sociedade para elevação do desemprego, criar enorme confusão nas mentes da população, desativar as organizações dos trabalhadores, invalidar soluções anteriores e assim criando uma situação explosiva para adotar o uso de armas e justificar ações de Garantia de Lei e Ordem.

O Estado de Exceção com características fascistas no Brasil, com a liderança dos militares de Bolsonaro, mas apoio integral de prefeitos e governadores, cinicamente e hipocritamente autodenominados diferentes de Bolsonaro, só será ultrapassado com a organização da classe trabalhadora. O caso do vendedor de água de coco provou isso. Caso a reação fosse mais volumosa e organizada, não somente indignada, com certeza não haveria espaço para a exposição de armas e uso da força sem consequências muito drásticas e indesejadas pelos covardes agentes da repressão.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.