Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
juan-guaidc3b3
|

Caracas, AVN – Por: Yonaski Moreno/ Yuleidys Hernández Toledo

Em reiteradas oportunidades dirigentes da direita venezuelana solicitaram uma “intervenção militar” estrangeira para derrubar o governo constitucional do chefe de Estado, Nicolás Maduro Moros, usando como argumento uma suposta “crise humanitária” na Venezuela.

Esta farsa contou com o apoio dos meios de comunicação nacionais e internacionais, o presidente da Assembleia  Nacional (AN) em desacato, Juan Guaidó, os fugitivos da justiça Julio Borges e Antonio Ledezma, a representante da extrema-direita María Corina Machado e o economista neoliberal, Ricardo Hausmann.

Um dia depois de que a direita tentasse sem sucesso ingressar uma suposta “ajuda humanitária” pela fronteira entre a Colômbia e Venezuela com o apoio dos EUA e do governo colombiano, Guaidó escreveu uma mensagem no Twitter que evidencia seu plano.

“Os acontecimentos de hoje me obrigam a tomar uma decisão: propor à Comunidade Internacional de maneira formal que devemos ter abertas todas as opções para conseguir a liberação desta Pátria (…)”, escreveu Guaidó no dia 24 de fevereiro na rede social.

A frase “todas as opções” é a mesma que utilizou de modo intimidatório o presidente estadunidense, Donald Trump, em reiteradas oportunidades para ameaçar a Venezuela.

Julio Borges

Borges, que é fugitivo da justiça desde sua ligação com o plano golpista continuado e o magnicídio frustrado contra o presidente Nicolás Maduro em agosto de 2018, pediu uma intervenção na Venezuela.

Em entrevista ao The Washington Times, afirmou que “é muito importante para nós (a oposição) que o presidente Trump seja um fator de ajuda para criar a máxima pressão internacional” sobre o governo de Maduro”.

Em 24 de fevereiro, o dirigente do partido de direita Primeiro Justiça anunciou no Twitter sua reunião com os representantes do autodenominado Grupo de Lima para “exigir uma escalada na pressão diplomática e no uso da força contra a ditadura de Nicolás Maduro”.

Naquela oportunidade manifestou seu anseio de “utilizar a presença do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, do presidente Iván Duque e de todos os chanceleres do Grupo de Lima para estabelecer e pedir este pacote de ações contundentes; o que ocorreu ontem abre as portas a uma estratégia mais determinante, definitiva e imediata”, cita o diário El Universal.

Antonio Ledezma

“Para resgatar a Venezuela é necessário aplicar já intervenção humanitária e o conceito de Responsabilidade de Proteger”, disse no mesmo dia outro fugitivo da justiça venezuelana, Antonio Ledezma, no Twitter.

A aplicação da doutrina da Responsabilidade de Proteger é o uso da força contra um país – uma medida da Assembleia Geral da ONU trabalhada desde 2005 quando há algum risco de “genocídio, crimes de guerra, limpeza étnica e crimes contra a humanidade”, delitos que não ocorrem na Venezuela.

Em abril de 2018 Ledezma solicitou a intervenção militar, quando assegurou em Miami que a “ingerência humanitária” é um dos poucos caminhos para derrubar Maduro por parte da comunidade internacional, cita o Diario Las Américas.

“A ingerência humanitária se refere à ação de Estados ou organismos internacionais contra outro Estado soberano, geralmente utilizando a força armada”, explica este jornal em sua página web.

María Corina Machado

Em 11 de fevereiro, em coletiva de imprensa, a dirigente em nome da aliança opositora “Sou Venezuela” pediu a “aplicação imediata da Responsabilidade de Proteger” para usar uma força multinacional na tentativa de ingressar “ajuda humanitaria” ao país.

Mais tarde, se dirigiu à Força Armada Nacional Bolivariana com uma mensagem no Twitter onde disse: “Cidadãos militares, entendam, o tempo de Maduro acabou. Aqui vamos fazer o que tenha de ser feito. Não há volta atrás”.

A participação de Machado em ações golpistas remontam ao plano de sedição chamado “La Salida” de 2014, que liderou ao lado do político de extrema-direita Leopoldo López, do partido Vontade Popular.

Desde então, chamou a desobediência civil, com especial enfâse em 2017, durante as ações de choque e violência nas ruas promovidas pela extinta Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Em abril de 2018, expresou seu apoio aos bombardeios ordenados pelos EUA, Reino Unido e França contra a Síria com a desculpa de um suposto ataque com armas químicas em Duma, em Damasco, acusações sem provas.

“O conflito na Síria não distrai o mundo sobre a urgência da crise venezuelana, ao contrário. As forças geopolíticas ali alinhadas também estão envolvidas aqui e com objetivos similares. O mundo democrático deixou claro o que não se pode tolerar mais”, escreveu em sua conta @MariaCorinaYa.

Juan Requesens

O ex-deputado da AN em desacato, Juan Requesens, detido em 2018 por facilitar a entrada pela Colômbia de Juan Carlos Monasterio Venegas, coordenador logístico do magnicídio frustrado, reconheceu o plano da oposição para uma intervenção estrangeira, durante um fórum da Universidade da Florida.

“Para chegar a uma intervenção estrangeira temos que passar esta etapa”, disse sobre as guarimbas ocorridas entre abril e julho de 2017, citou a Telesur.

Ricardo Hausmann

Em janeiro de 2018, o ex-ministro de Carlos Andrés Pérez (1989-1993) e fiel ao neoliberalismo, Ricardo Hausmann, pediu que a AN em desacato, formasse um governo ilegítimo que convocasse os EUA e países europeus e latino-americanos “amigos” para uma intervenção militar na Venezuela.

Em um artigo publicado em project-syndicate.org, ressaltou que esta “assistência militar” seria “semelhante à liberação do Panamá da opressão de Manuel Noriega por parte dos Estados Unidos”.

Mas o que não aponta o ex-ministro e chefe da extinto Escritório Central de Coordenação e Planejamento (Cordiplan) é que a invasão militar dos EUA ao Panamá em dezembro de 1989 deixou cerca de três mil falecidos.

Hausmann é um aliado de Guaidó, que supostamente o nomeou “governador” da Venezuela no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), segundo informou o representante da extrema-direita venezuelana, Carlos Vecchio, também fugitivo da justiça.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas