Imperialismo
Extrema-direita francesa impulsiona dissidentes a atacarem governo cubano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
epaselect epa08384687 A group of doctors participate in an event before leaving to South Africa at Jose Marti International Airport in Havana, Cuba, 25 April 2020. A group of 216 Cuban health workers left Cuba to go to South Africa and help in the fight against COVID-19, following a South African government?s request for aid.  EPA-EFE/ERNESTO MASTRASCUSA
Atuação destacada dos médicos cubanos leva a reações do imperialismo | Foto: EPA-EFE/ERNESTO MASTRASCUSA
Por Antonio Cuesta Marín Paris, 28 de setembro (Prensa Latina) Nas últimas semanas, vários grupos de pessoas residentes na França instigaram atos de violência contra Cuba, usando as redes sociais para isso, segundo denunciou hoje à Prensa Latina o jornalista colombiano Hernando Calvo.

 

Ao contrário do que acontecia anos atrás, quando a imprensa francesa recorria a escritores ou ‘intelectuais’ cubanos de grande influência para atacar o governo da ilha, após campanhas iniciadas nos Estados Unidos, hoje esses pequenos grupos são compostos por poucas pessoas, absolutamente desconhecidas, mas com uma linguagem muito agressiva, explicou Calvo.

Seus apelos e manifestos, que incentivaram o chamado ‘movimento girassol’ no início do mês, coincidem com a intensificação das sanções e do bloqueio contra Cuba decretados recentemente pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e apelo à sabotagem e atos violentos na ilha e contra embaixadas no exterior, acrescentou o jornalista.

Embora esses grupos não tenham encontrado eco, até agora, na mídia local, ‘o que a imprensa francesa está fazendo é tentar desinformar ou mentir sobre as brigadas médicas cubanas (BMC) e sua incidência nos países. em que trabalham ‘, disse ele.

‘Eles escondem o que realmente fazem e dizem que os médicos são forçados ou que trabalham em regime de semiescravidão porque não recebem ou recebem tão pequenas quantias que são inúteis’, continuou Calvo, mas esse argumento é o divulgado por Washington e seu aliado Brasil.

Os artigos da imprensa francesa com o objetivo de boicotar a cooperação cubana em matéria de saúde não hesitam em retratar o excelente trabalho realizado pelo BMC nos territórios ultramarinos franceses (Guiana, Martinica, Guadalupe, San Martín, San Bartolomeu, San Pedro e Miquelon). ), escondendo que era decisão do próprio governo de Paris fortalecer os sistemas de saúde locais.

O jornalista colombiano destacou que ‘a agressividade de anos atrás, por meios de jornais como Le Monde ou Liberation, deu lugar a esses virulentos clãs de cubanos que vivem em Toulouse, Marselha ou Paris, e que através das redes sociais eles não apenas propõem ações de violentas contra Cuba, mas também contra Venezuela, Nicarágua e outros países onde há processos de mudança ‘.

Por fim, considerou que ‘se em Miami ou na Espanha o financiamento deste tipo de pequenos grupos está bem documentado, e vem de formações políticas como do Partido Popular ou a extrema direita Vox, na França não há até agora uma conexão clara sobre a ajuda que eles recebem ‘, disse ele.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas