Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
age20190610003_02945628_0
|

No último sábado (15), o coletivo Advogados e Advogadas pela Democracia protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de prisão em caráter cautelar do juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro, do procurador Deltan Dallagnol e de seus pares Laura Tessler, Carlos Lima e Maurício Gerum. A ação foi difundida por reportagem do portal Jornalistas Livres.

Isso seu deu por causa das revelações do sítio The Intercept, mostrando conversas que comprovam a conspiração entre Moro e os procuradores para a prisão e manutenção do ex-presidente Lula na cadeia.

Do ponto de vista jurídico, é correto pedir a prisão desses agentes golpistas, uma vez que, de fato, eles cometeram crime. Essa ação dos Advogados e Advogadas pela Democracia também é muito importante para desmascarar Moro e Dallagnol, uma vez que a imprensa golpista está fazendo o máximo possível para acobertar e blindar os dois funcionários do imperialismo de qualquer tipo de denúncias.

Entretanto, do ponto de vista político e prático, a medida não é suficiente nem representa algum grande avanço na luta contra o governo Bolsonaro e pela liberdade para Lula. Isso porque é amplamente conhecido que o poder judiciário, em sua totalidade, está do lado do golpe, da prisão de Lula e da manutenção das políticas de Bolsonaro.

O judiciário é o órgão mais reacionário dentre todos os poderes da República. O Superior Tribunal de Justiça (que deveria despachar o pedido imediatamente), bem como todas as instâncias da Justiça, está repleto de elementos não apenas coxinhas, mas fascistas. Todos eles são preenchidos de Moros, Dallagnois e Bolsonaros.

Embora petições como essa possam servir para evidenciar o caráter fraudulento da Lava Jato e, por consequência, da própria eleição de Bolsonaro, da prisão de Lula e do golpe de Estado, não será isso que irá derrotar os golpistas.

É preciso que os movimentos populares e a esquerda organizem e mobilizem a população para sair às ruas para derrubar o governo Bolsonaro. Somente a luta concreta, nas ruas, nas fábricas, nas universidades, diretamente pela queda de Bolsonaro, poderá surtir algum efeito prático e decisivo.

Não se pode incentivar as crenças nas instituições – que colaboraram diretamente com Moro para a prisão de Lula – de que elas irão fazer algo importante contra seus próprios aliados. A luta através das instituições não levará a nada. A luta contra Bolsonaro e o golpe, pela liberdade de Lula, é uma luta genuinamente da classe operária. E a classe operária não tem qualquer poder sobre as instituições, ainda mais sobre o judiciário. O judiciário é um dos principais inimigos do povo, portanto não está ao seu lado.

A luta é nas ruas, como comprovou-se no período de um mês que viu grandes protestos nos dias 15 e 30 de maio e no último 14 de junho. Esses, sim, estão sendo fundamentais para a desestabilização ainda maior do governo e ferramenta inigualável de combate e vitória sobre Bolsonaro. Só o povo nas ruas derruba Bolsonaro e o golpe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas