Internacional
Sindicatos aceitam demissões por parte dos patrões na França
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Renault Curitiba
Renault | Foto: Reprodução
 Principal união do grupo automotivo Renault na França, CFE-CGC, aceitou hoje o plano da empresa de eliminar 2.500 empregos de trabalho, a maior parte do qual realizado por meio de licença voluntária.
Outra organização sindical da empresa, Fuerza Obrera, anunciou nessa segunda-feira sua decisão de assinar o acordo como ‘não há saídas forçadas’, o que significa que algo mais que a metade dos representantes dos trabalhadores já validou o plano, enquanto os demais sindicatos presentes na comissão votarão a resolução hoje à tarde.

A proposta de gestão faz parte de um plano de economia trienal de 2 bilhões de euros e tem 1.900 saídas voluntárias e 600 reformas antecipadas no departamentos de engenharia e comercial da empresa, mas a eliminação de outros 2.100 empregos, que devem ser negociados com os sindicatos.

No final de maio, a Renault anunciou um plano de choque contra a crise, derivado da epidemia da Covid-19, que previa a supressão de cerca de 15 mil empregos em todo o mundo, dos quais 4 mil 600 corresponderiam às fábricas francesas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas