Menu da Rede

Permanência de Duque coloca Colômbia sob impasse

Emmanuel

Emmanuel

Farsa Sindical

Greve na Renault: discurso da vitória, justificativa da derrota

O papel das direções em desarmar os trabalhaodres diante dos patrões

Asssembleia dos metalúrgicos – Reprodução: SIMEC

Demissões, rebaixamento salarial, suspensão dos contratos de trabalho, terceirização, estão entre ferramentas dos patrões para superexplorar a força de trabalho, ou seja, a classe operária. No entanto, a direção do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, liderada pela Força Sindical, que permitiu aprovação de todos esses ataques no acordo que fez com a Renault para encerrar a greve, quer fazer parecer isso uma vitória.

Neste sentido, como um acordo quer permitiu tudo o que os patrões queriam pode ser uma vitória para os trabalhadores?

A coluna de hoje é para explicar uma técnica comum dentro das direções sindicais: organizar a derrota dos trabalhadores e propagá-la como uma vitória.

Para isso, é preciso resgatar a linha do tempo do que ocorreu na greve, como relatado em matéria deste Diário:

“22 de julho: Os metalúrgicos entraram em greve no dia

23 a 29 de julho: Metalúrgicos mantiveram a greve de forma combativa, com piquetes e enfrentamentos com a polícia e os fura greves, ganhando o apoio e solidariedade de trabalhadores no Brasil e no mundo. A pressão enorme da greve ecoou em todo o País e fez com que setores da burguesia, como o governador Ratinho Jr., deputados da assembleia legislativa, do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal de Justiça do Trabalho, intervissem para frear a radicalidade do movimento.

5 de agosto: Como resultado da pressão, Judiciário concede em 1ª instância liminar pedindo a readmissão dos 747 demitido, como forma de aliviar a pressão e enganar os trabalhadores

6, 7 de agosto: Força Sindical, imprensa capitalista e setores de esquerda tratam a decisão como estando certa a readmissão dos 747

8 de agosto: Sem cair na armadilha, metalúrgicos mantém a greve, aumentando a pressão sobre os capitalistas

8 de agosto: Ainda na sexta, Renault chama Força Sindical para negociar o acordo, que sob a farsa da readmissão dos 747, permite justamente o contrário, demissões, redução de salário e de direitos.

8 e 9 de agosto: Para confundir toda a categoria, Força Sindical faz propaganda do acordo como sendo uma vitória, destacando o ponto da readmissão dos 747 e deixando em segundo plano os demais.

10 de agosto: Em assembleia, Força Sindical continua sua campanha e organiza uma votação eletrônica e tira a votação sobre o acordo do controle dos trabalhadores.

11 de agosto: Em apuração virtual, junto com representantes dos capitalistas da Renault, é anunciada a vitória do acordo.”

Ainda segundo informações do DCO, o acordo permitiu:

REDUÇÃO DE SALÁRIO: “MP 14020 (Antiga MP 936 de Bolsonaro, que foi convertida em lei com o apoio da Força Sindical.) no máximo seis meses ou 18 dias de trabalho, garantindo 85% do salário bruto do empregado”

SUSPENSÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO: “LAY-OFF para toda a fábrica ou setor por até 8 meses com garantia de 85% do salário líquido do empregado”

DEMISSÕES: Através de planos de demissão “voluntária” (PDVs), que inclusive poderão ser aplicados ao readmitidos!

TERCEIRIZAÇÃO: “Poderá discutir com o Sindicato até 175 postos ou cargos por turno a partir de 01/09/22”

REDUÇÃO SALARIAL: “Sofrerá ajuste de 20% para os novos contratados”

Para enganar os trabalhadores sobre o caráter patronal do acordo, a direção do sindicato, controlada pelo Força Sindical, fez uma campanha destacando que os 747 trabalhadores seriam readmitidos.

Contudo, os 747 trabalhadores demitidos foram colocados ontem em “lay off”, ou seja, tiveram seus contratos suspensos enquanto aguardam nada mais, nada menos que o PDV (Programa de Demissão “Voluntária”). Ou seja, com toda essa manobra, ao fim e ao cabo as demissões ocorrerão, sob o disfarce de serem “voluntárias”.

É assim que a direção permitiu, sob uma grande campanha de desinformação sobre os trabalhadores, que os patrões implementassem na Renault a política de Bolsonaro e dos golpistas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.