Contra reforma da Previdência
Movimento na França precisa levantar o fora Macron!, única forma de impedir que suas reformas neoliberais sigam adiante é derrubar o governo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
França-17 12 2019 Trabalhadores franceses fazem manifestações em toda a França contra a reforma da Previdencia.foto Força Ouvriére
Foto: Força Ouvriére |

Ontem (17) aconteceu mais um dia de greve geral na França para protestar contra a reforma da Previdência do presidente neoliberal Emmanuel Macron. A paralisação dos transportes já dura quase duas semanas e ameaça atravessar o ano. Professores, médicos e outros funcionários públicos também estão se somando à greve. Em todo o país, pelo menos 1 milhão de pessoas protestaram contra a reforma de Macron. O ministério do Interior admitiu 615 mil pessoas protestando contra o governo em toda a França.

Um dia antes da greve geral, o movimento contra a reforma da Previdência derrubou o responsável por planejá-la. Jean-Paul Delevoye, alto-comissário que desenhou a reforma proposta pelo governo Macron, demitiu-se em meio a denúncias de conflito de interesses, por ele ser consultor de empresas que poderiam se beneficiar com as medidas.

Na França, apesar de toda a pressão das direções burocráticas e conservadoras das organizações, a classe operária é muito poderosa e politicamente organizada e consegue mais facilmente romper o dique de contenção das direções conciliadoras e empurrá-las para a esquerda. Somente as massivas e violentas mobilizações de rua e as greves operárias conseguem impedir um acordo político com o regime político que dê um fim nas mobilizações.

A crise na França é expressão da crise capitalista que se manifesta no mundo todo. Na América Latina, o que se observa são levantes generalizados das massas populares contra os governos neoliberais, caso da própria França.

O que impede que a mobilização evolua e instaure uma crise revolucionária no país é a política conservadora das direções dos movimentos operário e sindical e da esquerda francesa, que não colocam a palavra-de-ordem de Fora Macron e ficam se limitando a uma luta por reivindicação parcial, caso da “reforma” da Previdência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas