Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Os rodoviários da Grande Vitória (ES) entraram em greve no dia 26 de dezembro último, demandando um reajuste salarial de 7% a 10%, conforme o dissídio coletivo que será julgado hoje pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). A greve havia sido declarada ilegal pelo mesmo Tribunal em 19 de dezembro, mobilizando a Polícia militar em terminais e garagens para reprimir os trabalhadores. O Sindicato dos Rodoviários (SindRodoviários) recorreu da decisão e a paralisação de 30% da categoria foi iniciada logo após o feriado de Natal, prosseguindo até hoje.

Além do reajuste salarial compatível com o aumento real dos preços no ano, os trabalhadores demandam pagamento integral do plano de saúde pelas empresas e aumento de R$4 no valor diário do tíquete alimentação – hoje em R$26,30. As empresas, representadas pelo sindicato patronal (GVBus), ofereceram 1,83% de reajuste com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Como se sabe, itens essenciais como gasolina, gás e eletricidade tiveram aumentos expressivos em todo o país – alguns chegando a triplicar de valor, o que evidentemente puxa a inflação dos demais itens, e torna o INPC do período de base irreal. Conforme ressalta Edson Bastos, presidente do SindRodoviários, “não dá pra entender essa inflação que eles calculam”.

A GVBus alega que “as empresas da Grande Vitória não têm condições de arcar com qualquer reajuste além de 1,83%”, como se as máfias dos transportes instaladas em praticamente todas as metrópoles brasileiras não garantissem lucros exorbitantes a esse setor. A imprensa direitista, como de hábito, ataca o movimento dos trabalhadores por meio de reportagens sobre atrasos e filas em terminais, e até mesmo insinuando o repasse do aumento para a população por meio das tarifas. A tentativa é de colocar a opinião pública contra os grevistas.

Na realidade, as reivindicações dos rodoviários são justas, e correspondem a nada menos que a reposição mínima das diversas perdas aferidas ao longo de um ano em que vigeu no país um regime golpista que destruiu nossa legislação trabalhista. O movimento dessa categoria deve não apenas ter apoio da população, como também serve de exemplo aos demais trabalhadores de Vitória e aos rodoviários de outras metrópoles. Os setores de transportes são fundamentais para impulsionar as greves gerais, e por isso sua mobilização deve ser especialmente apoiada por todos aqueles que lutam contra o golpe de estado em curso no País.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas