Aprofundar as paralisações!
É preciso organizar piquetes contra os fura-greve, formar comitês de autodefesa, paralisar mais unidades, colocar na pauta o Fora Bolsonaro e ter a adesão de mais categorias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
EQgWwrGU4AAuVEq
Mais sete unidades aderiram à greve de ontem pra hoje. Foto: FUP/Twitter |

Da redação – Nesta terça-feira (11), a greve dos petroleiros completa 11 dias de vigor, tendo alcançado, conforme o último balanço realizado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), 102 unidades. No balanço anterior, divulgado ontem a noite, eram 95 unidades paralisadas.

São também mais de 20 mil trabalhadores de braços cruzados nas 48 plataformas, 20 terminais, 11 refinarias, 7 campos terrestres, 5 termelétricas, 3 UTGs, 1 usina de biocombustível, 1 fábrica de fertilizantes, 1 fábrica de lubrificantes, 1 usina de xisto, 1 complexo petroquímico e 3 bases administrativas.

Os diretores da FUP que ocuparam o quarto andar do prédio da Petrobras no Rio de Janeiro no dia 31 continuam mantendo a ocupação, como parte da greve e dos protestos contra os ataques do governo ilegítimo de Bolsonaro à empresa.

O estopim da greve foi o anúncio de fechamento e demissão de mil trabalhadores petroquímicos da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FAFEN), em Araucária, Paraná, no meio de janeiro. Esses trabalhadores, então, iniciaram uma greve com ocupação do local, e foram seguidos pelos petroleiros do Brasil inteiro que, em assembleia, foram aderindo à paralisação. Afinal, a luta é a mesma: contra as demissões e privatizações que vêm ocorrendo em várias unidades da Petrobras pelo País e, especificamente, pela derrubada do governo Bolsonaro, responsável direto por essa situação, a fim de entregar a companhia aos grandes monopólios imperialistas.

Os petroleiros devem radicalizar a greve. Contra a tentativa da direção bolsonarista da Petrobras de acabar com a paralisação, contratando fura-greves, é preciso organizar os piquetes em todos os locais de trabalho para garantir a paralisia das atividades. Ocupar os demais locais, impedir a produção, construir comitês de autodefesa e chamar à solidariedade e apoio dos trabalhadores das demais categorias pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas