Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
greve fome
|

Foi encerrada no sábado (25), com um ato político em Brasília, a greve de fome de 26 dias dos sete ativistas do movimento popular, Jaime Amorim, Zonália Santos, Rafaela Alves, Frei Sérgio Görgen, Gegê Gonzaga, Vilmar Pacífico e Leonardo Soares, iniciada em 31 de julho.

Embora não tenha sido consenso entre os grevistas o encerramento da greve, prevaleceu o entendimento que todo o grupo deveria agir com uma decisão unitária, que fortaleça os próximos passos do movimento em torno da luta contra o golpe e pela garantia da candidatura de Lula.

De acordo com a direçao do movimento, embora a greve não tenha conquistado seu objetivo maior que é a liberdade de Lula, foi um importante instrumento para denunciar o golpe e a política absolutamente anti-povo encampada pelo governo golpista e, em particular, pelo judiciário brasileiro, um instrumento à soldo do imperialismo e totalmente alheio à realidade do país.

Para Jairo Amorim, “Ao longo dos 26 dias, foi feito um grande debate com a sociedade brasileira, denunciando a volta da fome, e mostrando para o mundo as consequências do golpe, o aumento da violência, o abandono dos mais pobres por parte do estado e o papel que o poder judiciário exerceu para que isso acontecesse”, complementando que “O judiciário cumpriu um papel decisivo a favor do golpe e contra o povo, mostramos para todos esses cenários em que se conduziu a judicialização da política e a politização do poder judiciário, o que é incompatível com uma sociedade democrática”.

O grito de guerra foi lançado no próprio ato, com os grevistas deixando claro que agora vão se engajar de norte a sul do país, nos movimentos que lutam contra o golpe “Nós saímos da greve para um outro patamar da luta, seguiremos lutando pela liberdade de Lula, mas olhamos para a frente vislumbrando o Congresso do Povo e a consolidação da Frente Brasil Popular como um instrumento de desenvolvimento político e social para toda nossa gente, abrigando a nova militância que surgiu da resistência ao golpe e vem crescendo cada vez mais, uma militância sem vícios, que está disposta a ajudar a construir uma nova história possível e necessária.”

A luta contra o golpe não se encerra nas eleições de 7 de outubro, muito ao contrário. Embora todo o esforço dos golpistas tenha o objetivo de eliminar Lula das eleições, os setores verdadeiramente empenhados em derrotar o golpe têm que ter claro que levar sua candidatura até às últimas consequências, significa justamente colocar na ordem do dia a preparação de grandes mobilizações populares contra o golpe e como sustentação de um possível governo Lula.

A burguesia golpista procura transformar as eleições em uma panacéia, mas, obviamente, sem a participação de Lula. Levantar o povo imediatamente é a tarefa do movimento que construiu a greve de fome e dos próprios grevistas que colocaram suas vidas em risco justamente para lutar contra o golpe e defender a liberdade de Lula e a sua candidature.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas