Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Antônio Carlos Silva

Sobre o Toninho

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Greve total

Greve da Educação: como avançar na luta contra o genocidio

É preciso intensificar a mobilização com comandos greve, trabalho de agitação nas escolas e bairros, atos de rua e organização de uma greve nacional da Educação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Participamos e intervimos, junto com companheiros da corrente Educadores em Luta (militantes e simpatizantes do PCO) das assembleias convocada pela APEOESP (professores da rede estadual de SP), para realizar um balanço e deliberar sobre a continuidade da greve iniciada no último dia 8,  contra a volta às aulas, imposta pelo governador genocida, João Doria, no momento de evolução da pandemia, quando o Estado tem mais de 200 mortos por dia, há mais de um mês,  já totaliza mais de 56 mil pessoas falecidas e quase 2 milhões de infectados, de acordo com o números sabidamente fraudulentos, divulgados pelo governo de SP que, como em todo o País, não contabiliza as pessoas mortas com sintomas da covil-19, conforme recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Embora ainda minoritária (estimativa de 15% da categoria) a greve se mostrou um acerto político, ao mobilizar centenas ou milhares de ativistas em todo o Estado  e enfrentar a política criminosa dos governos Doria, Covas e outros que se passam por “científicos”mas estão liderando a política genocida de reabrir as escolas para garantir os interesses dos bancos, escolas privadas e outros tubarões capitalistas, preocupados em “socorrer” seus próprios lucros e deixar o povo morrer.

No meio da semana os trabalhadores da Educação da Capital, também aderiram ao movimento, depois de pressionarem suas direções, que convocou apenas uma live, na qual compareceram mais de 5200 educadores que – em esmagadora maioria – clamam pela greve, contra a política reacionária do presidente do Sinpeem (educadores municipais), ex-vereador da base do governo Doria/Covas, Claudio Fonseca, que diante da convocação de um ato junto à Secretaria Municipal de Educação, fez campanha para que os grevistas ficassem em casa.

Aos poucos foram crescendo as atividades nas regiões, panfletagens e atos organizados pelos próprios militantes, que – na prática – foram constituindo comandos de greve (ainda que frágeis) mesmo onde a maioria da burocracia não moveu uma palha.

Com a greve, cresceram também as denuncias de casos de professores e funcionários infectados: já são mais de 250, em 150 escolas públicas.  Até mesmo em escolas particulares, que retornaram às aulas, houve infecções e algumas já suspenderam o retorno.

A maioria das escolas teve presença super reduzida de alunos (entre 5 e 10%) mostrando a rejeição dos pais à política pró-morte do governo.

Da mesma forma, as faculdades particulares adiaram o retorno às aulas, nesta semana, evidenciando que o retorno representa um perigo real.

Nas assembleias regionalizas desta sexta, ficou evidente a radicalização do ativismo.

Setores que tinham se oposto ao começo da greve, como o PSOL/Resistência não tiveram a coragem de defender o fim da greve e fizeram a manobra de defender o adiantamento da próxima assembleia estadual para o dia 17/2, quarta-feira de cinzas, na expectativa de que se criem melhores condições para o enterro da mobilização, o que não vai acontecer.

Nós de Educadores em Luta, apresentamos em todas as regiões um conjunto de propostas, entre 9k=elas a radicalização do movimento, com a decretação da paralisação geral, greve total, para superar a política adota pela direção de realizar a greve apenas entre os setores convocados para trabalhar presencialmente, o que – obviamente – divide a categoria, e quando é necessário unir forças e agrupar o ativismo para impulsionar a mobilização. Mesmo não sendo aprovada, a proposta obteve mais de 30% na maioria das regiões, com todas as alas da diretoria contra a proposta.

Mostrando a tendência geral de luta, educadores do Rio (Estado e Capital) realizaram assembleias e reafirmaram a decisão de entrar em greve contra o retorno nos próximos dias.

Em todo o País, professores, pais e estudantes (apesar da política reacionária das direções estudantis) em sua maioria percebem os graves riscos que estão sendo colocados e já são inúmeros os protestos contra essa medida nazista de reabrir as Escolas.

Em várias cidades, pressionados, prefeitos recuaram da abertura das Escolas, mas o governador, o prefeito da Capital, Bruno Covas (PSDB) e de muitas outras cidades, querem impor a volta e ainda ameaçam os professores, com desconto dos salários, mostrando que são tão ou mais ditadores do que Bolsonaro.

Mais do que nunca é preciso a unidade de toda a categoria na luta.

Convocar o apoio dos estudantes, dos pais, de todos os sindicatos e organizações que estejam – de fato – do lado do povo trabalhador, que não vai ser atendido no Albert Einstein e ou no Sírio Libanês.

Para impulsionar a greve, é decisiva a formação de comandos de greve de base, como já se viu nessa e em todas as nossas greves, para conversar com os professores e a população e organizar a mobilização nas ruas, com os devidos cuidados sanitários, necessários neste momento.

Em todas cidades, organizar protestos junto às prefeituras e realizar uma grande Marcha ao Palácio dos Bandeirantes, contra o governo genocida, para exigir o fechamento das Escolas.

Doria ameaça os professores com o corte de ponto. É preciso radicalizar e decretar a paralisação de todo o trabalho remoto e que o mesmo só volte a ser feito mediante a suspensão total do trabalho presencial e com a devida negociação das condições pelos representantes dos trabalhadores, incluindo fornecimento de equipamentos e internet pelo Estado para todos os professores e estudantes.

É preciso também intensificar a cobrança junto à CNTE, CUT e dos sindicatos da categoria para organizar já uma greve nacional da Educação.

Volta às aulas só com o fim da pandemia e com vacina para todos!

Fora Bolsonaro, Doria e todos os governos golpistas e assassinos, inimigos da Educação e da população.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.