Sucateamento do Ensino
Para não suspender o calendário letivo e consolidar o ensino à distância, em diversos estados as aulas passaram a ser pela rádio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15889709435eb5c5bfa3df6_1588970943_3x2_rt
Sem condições para ter um lápis, muito menos com condições para estudar pela telecomunicação. | Marlene Bergamo

A direita não perde oportunidade para sucatear a educação. Contando com a paralisação da esquerda durante a pandemia e a suspensão do ensino presencial, o antigo projeto dos golpistas para o ensino à distância avança. Mesmo com muitos alunos sem acesso a internet ou com um acesso extremamente precário, a questão está para além da disponibilidade nas redes.

É um ataque direto contra a política estudantil, pois são nas escolas e universidades onde os estudantes se organizam politicamente. Ainda, vale enfatizar que ninguém aprende com EaD, o encontro e a presença são fundamentais para o aprendizado. Dessa forma, fica claro que não é uma medida paliativa para a crise, e muito menos um avanço tecnológico na educação. Esse programa criminoso pretende conter a mobilização estudantil e lucrar mais sobre a exploração da comunidade escolar.

Sem ter que se preocupar com os custos trabalhistas e com as caras dependências físicas, a direita precisa apenas organizar um sistema de telecomunicação que funcione minimamente, e uma forte propaganda em torno do “futuro da educação”. Nesse âmbito, em alguns estados estão sendo transmitidas aulas pelas rádios, como no Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A imprensa coloca como algo maravilhoso, cidades pequenas e pessoas que não tem acesso a internet podem continuar ou começar seus estudos, a educação finalmente chegará a todos. O ensino realmente precisa usufruir dos mais avançados recursos tecnológicos, porém, o EaD não faz parte de um programa para o desenvolvimento nacional. Seu objetivo final é a privatização completa da educação pública.

Ao invés de construir mais escolas, formar novos profissionais e investir de fato na educação, ele pretende gastar o mínimo com a população enquanto provere que dá seu máximo. As limitações técnicas para o uso do EaD são uma dificuldade que o capitalismo pode contornar, uma vez que consolidando-o será capaz de controlar o que é ensinado e para quem é ensinado. A título de exemplo tem-se as ridículas aulas pela TV justiça e pelas rádios, que para a direita, é suficiente para substituir uma escola ou até uma universidade. 

Isso só é possível sem uma campanha sistemática de denúncias e de uma forte mobilização por parte da esquerda. É preciso lutar contra EaD em todos os níveis, exigir a suspensão do calendário letivo, são os estudantes, os professores e os funcionários que precisam organizar o sistema educacional. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas