No pico da pandemia
Após prorrogar o prazo da MP 950, o governo não irá estender seus benefícios, como a isenção da tarifa de luz das famílias de baixa renda.
Cerimonia de posse do  presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Gustavo Montezano.
Montezano defendeu o alinhamento “total” da nova direção do banco com o governo federal, afirmou que a instituição buscará ajudar nos processos de desestatização, abrirá sua “caixa-preta” (promessa de campanha do presidente) e devolverá recursos ao Tesouro Nacional. Brasilia, 16-07-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Governo retira benefício de isenção de tarifas de luz em plena pandemia. | Foto: Arquivo DCO

Após o prazo da Medida Provisória (MP) 950, que trata das medidas emergenciais em meio a pandemia para o setor de energia, ter sido prorrogada até o dia cinco de agosto, o governo de Jair Bolsonaro não pretende estender os benefícios nela contidos, entre eles a isenção da tarifa de luz de famílias de baixa renda e com consumo de até 200 kwh/mês.

“O Ministério da Economia esclarece que a embora a tramitação da medida tenha sido prorrogada até 05/08, os benefícios previstos até 30/06 não tiveram prorrogação, sem alteração nessa data até o momento”, informou o ministério comandando por Paulo Guedes.

Segundo o ministério, após o dia 30 do mês passado, voltou-se a valer os descontos nas tarifas previstas pela Lei 12.212 de 2010, que chegam a no máximo 65% da tarifa. Mais uma vez, os trabalhadores mais pobres continuam sofrendo as mais graves consequências da crise agravada pela pandemia do novo Coronavírus, onde muitos estão sem renda, sem benefício, e agora podem ficar em energia elétrica com a volta das cobranças autorizadas pelo governo, tudo isso em meio a pandemia.

Relacionadas