Desmobilização
Direita aproveita as condições para avançar nos ataques contra as mulheres
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pazuello
General Eduardo Pazuello | Foto: Reprodução

No dia 5 de junho, o ministro interino da Saúde do governo Bolsonaro, o general Eduardo Pazuello, exonerou dois funcionários que assinaram uma nota técnica que visava reforçar práticas legalizadas em favor do direito ao aborto. A nota não ia de encontro a qualquer lei estabelecida: apenas recomendavam que fossem mantidos os serviços de saúde que garantem o acesso a métodos contraceptivos de emergência e ao aborto permitido em lei durante a pandemia do novo coronavírus.

Apesar de a nota do Ministério da Saúde, que foi encaminhada aos estados e aos municípios, não contrariar a legislação vigente, ela foi alvo de uma série de ataques da extrema-direita. Segundo os bolsonaristas, a nota seria uma tentativa de ampliar o uso do aborto no sistema público de saúde. Diante dessa campanha, até mesmo o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro se pronunciou publicamente contra a nota, referindo-se a ela como uma “minuta de portaria apócrifa sobre aborto que circulou na internet”.

Como resultado da campanha da extrema-direita, foram exonerados Flávia Andrade Nunes Fialho, do cargo de Coordenadora de Saúde das Mulheres, e Danilo Campos da Luz e Silva do posto de Coordenador de Saúde do Homem. O general Pazuello continua mostrando, portanto, que não desacordo, em linhas gerais, entre a política dos militares e a política do governo genocida de Jair Bolsonaro. Pelo menos, no que diz respeito à perseguição aos direitos mais fundamentais das mulheres e do povo explorado em geral.

O fato de que os signatários não descumpriram nenhuma lei mostra claramente que se trata de uma perseguição política. A direita, afinal de contas, desde a extrema-direita mais bolsonarista aos setores que se dizem mais “democráticos”, como o PSDB, é completamente contrária ao direito da mulher abortar. Para a burguesia, as mulheres não devem ter qualquer direito sobre o seu próprio corpo: deverá, afinal, permanecer amarrada nos trabalhos domésticos.

Essa ofensiva da direita sobre os direitos das mulheres acontece, não por acaso, durante a pandemia de coronavírus. Nesse momento, a burguesia conseguiu convencer a esquerda pequeno-burguesa de conjunto de que, pelo “bem do povo”, todas as manifestações deveriam ser canceladas. Com esse clima de desmobilização, a direita não está sendo “solidária” e cancelando sua ofensiva contra os direitos do povo. Muito pelo contrário: a desmobilização é o que está criando condições para que a direita vá para cima dos direitos das mulheres.

Para evitar que a burguesia continue com os ataques, é preciso inverter essa política. É preciso, portanto, organizar as mulheres, os trabalhadores e todos os explorados para lutar contra a direita e pelo Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas