Apoiar a mobilização
O problema atual evidencia o caráter irreconciliável entre os interesses de centenas de milhares de trabalhadores do setor e a política entreguista do governo Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
42258307582_ef0ffab07a_b
Categoria é monitorada constantemente desde 2018 | Foto: PRF-PR

A crise política entre os dirigentes da última greve geral dos transportadores (caminhoneiros) e o governo golpista de Jair Bolsonaro parece ter alcançado um novo nível de desentendimento e caminha para uma possiblidade real de paralisação nacional da categoria.

Recentemente uma das principais lideranças do movimento grevista de 2018, Wallace Landim (Chorão), saiu a público afirmando que Bolsonaro havia traído os trabalhadores do setor o que por foi suficiente para que os golpistas ligassem o sinal de alerta.

Uma das razões para o rompimento seria a intenção do Ministério da Infraestrutura comandado pelo militar Tarcísio de Freitas que estuda ampliar a chamada cabotagem, um modelo de transporte fluvial e marítimo que por utilizar os portos e assemelhados como ponto de distribuição de mercadorias poderia impactar diretamente na demanda pelo serviço rodoviário dos caminhoneiros em todo o país.

Certamente setores da esquerda bem pensante recordarão o fato de que Bolsonaro foi eleito na fraude eleitoral de 2018 com amplo apoio entre os caminheiros. Acontece que o problema atual evidencia o caráter irreconciliável entre os interesses de centenas de milhares de trabalhadores do setor e a política entreguista do governo Bolsonaro. Interesses estes alicerçados na materialidade real das condições de vida destes trabalhadores e que está acima de aspectos ideológicos assumidos equivocadamente pela categoria em um passado recente.

A perseguição aos caminhoneiros ocorre pelo menos desde 2018, quando ocorrera a última greve, a partir daí estes trabalhadores vêm sendo monitorados pelo Estado capitalista constantemente. O Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) que possui dados de 42 órgãos federais pertencentes a diferentes ministérios repassa informações a Polícia Rodoviária Federal e ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) para que juntos estes órgãos de repressão controlem de perto qualquer nova iniciativa da categoria que ameace a “institucionalidade”.

Para os golpistas, mesmo após conversas intermináveis junto à Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), o que mais preocupa é justamente uma mobilização entre esta parcela dos caminhoneiros justamente porque estes não possuem vínculo com as grandes empresas monopolistas do setor e atuam por conta própria podendo decidir de forma independente quando parar e quando retornar ao trabalho.

Desta forma é imprescindível que todas as forças progressistas que se identificam como de esquerda saiam do moralismo costumeiro típico da pequena burguesia alienada e defendam amplamente a organização da categoria no sentido de uma mobilização nacional que desemboque numa greve expressiva do setor.

Caso ocorra o contrário, ou seja, ao vacilar diante desta questão que envolve basicamente a solidariedade de classe social, todo a esquerda poderá estar entregando mais uma vez nas mãos da direita golpista a condução política do movimento, o que seria um erro estratégico com consequências desastrosas para a luta contra o golpe de Estado no país.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas