A destruição do golpe
O golpe de Estado tem como um de seus objetivos destruir a Petrobrás e já responde por 2,5 milhões de desempregados. A principal vítima é o nordeste, que está na mira de Bolsonaro.
materia-1
Foto: Reprodução |

O golpe de Estado, que levou ao governo golpista de Temer, e posteriormente, à “eleição” de Bolsonaro está provocando uma profunda destruição de todo o país. Conforme temos discutido sistematicamente em toda a imprensa do Partido, este é justamente o objetivo do golpe: destruir a economia nacional e as condições de vida da classe operária brasileira e sugar todos os recursos do Brasil, tal como um vampiro faz com o sangue de sua vítima. É uma tentativa desesperada de salvar um capitalismo agonizante, que sofre convulsões desde a crise de 2008.

É importante lembrar que toda a política golpista começou com a operação Lava Jato e a suposta “luta contra a corrupção”, concentrando-se justamente sobre a Petrobrás, a estatal mais importante do país. As relações da Lava Jato, notoriamente, Moro e Dallagnol, com o imperialismo estadunidense são escandalosas, e comprovam a conspiração internacional que articulou o golpe. Ao invés de acabar com a corrupção, o imperialismo aproveitou a oportunidade para atacar duramente a Petrobrás. Os resultados desta operação são alarmantes. De acordo com matéria publicada no sítio Jornal GGN,  a redução dos investimentos na empresa, desde 2015 até os dias de hoje provocou a perda do emprego de 2,5 milhões de brasileiros, o que equivale à 19% de todos os desempregados no país. Ou seja, um quinto dos desempregados do Brasil estão diretamente na conta de Moro, da Lava Jato e do golpe!

Os resultados no nordeste são ainda piores. O próprio Bolsonaro já confessou qual é a orientação política do seu governo para a região. Afinal, viralizou a conversa vazada pelo microfone entre Bolsonaro e Onyx Lorenzoni meses atrás, quando o presidente disse que não era para dar nenhum dinheiro para os “governadores paraíbas”, expressão popular usada no Rio de Janeiro para depreciar os nordestinos. Na prática, o governo Bolsonaro caminha para retirar completamente a Petrobrás do nordeste. Como se trata de uma região atrasada economicamente, o baque causado por esta medida tem consequências ainda maiores. De acordo com a matéria do GGN, não há nenhuma previsão de investimento da Petrobrás no nordeste para os próximos anos, e a se confirmar esta política, estima-se que mais 319 mil pessoas perderão o emprego, isso só na região.

Da região nordeste, o estado que mais sofre com a retirada forçada da Petrobrás é a Bahia. Curiosamente, o estado tem importância fundamental na história da prospecção de petróleo no país. Foi na Bahia onde aconteceu a primeira extração de petróleo no país, o que motivou inclusive a formação da própria Petrobrás. Além disso, na Bahia a Petrobras atua em todas as suas frentes, o que inclui a produção de fertilizantes, de prospecção de petróleo em mar e em terra, em pesquisa, e também no refino. São empregos altamente especializados. Uma vez que a Petrobrás se retire completamente do nordeste, ao final teremos uma longa estrada de cinzas e ruínas.

No final das contas, os ataques à Petrobrás e a economia nacional são uma política de terra arrasada. Um desastre para o país, e especialmente, para os trabalhadores brasileiros, que além de perderem o emprego não terão mais aposentadoria, direitos trabalhistas, enfim, uma verdadeira selva, onde a população só encontrará pobreza, miséria e desemprego.

Relacionadas