Novo ataque aos trabalhadores
O novo alvo do governo ilegítimo de Bolsonaro são os direitos dos servidores públicos. A desculpa é conseguir fundos para financiar o Auxílio Emergencial.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O Plenário da Câmara dos Deputados, aprova o projeto de lei que aumenta a pena de quem abusa, fere ou mutila cães e gatos
Câmara dos Deputados | Foto: Wilson Dias/Agencia Brasil

No final da semana passado o presidente ilegítimo Bolsonaro anunciou que o pagamento do auxílio emergencial será prorrogado até o fim do ano. Na verdade, apenas confirmou o que já havia sido anunciado pelas lideranças do governo do Congresso e projetado pela sua equipe econômica.

Logo em seguida parlamentares da base governista começaram a se movimentar para conseguir apoio a duas PECs (proposta de emenda à constituição), visando a destinação de verbas a manutenção do Auxílio Emergencial.

O deputado Kim Kataguiri do DEM quer aprovar uma mudança no teto dos ganhos do funcionalismo público. Hoje em dia o teto está em R$ 39.239,00, que é o quanto ganha um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Pela proposta do deputado o novo valor seria de R$ 6.101,06, que é o teto do Regime Geral de Previdência Social, o teto de pagamento das aposentadorias e benefícios do INSS.

Outra deputada, Carla Zambelli do PSL, propõe outra PEC sobre este tema. Sua proposta é uma redução de 25% nos salários de políticos, servidores e integrantes dos Poderes Judiciário, Legislativo e Executivo que ganham mais de R$ 15.000 mensais. A proposta valeria por três meses, ou pelo período de duração da pandemia do coronavírus.

Na semana passada o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, manteve o veto de Bolsonaro que visa manter os salários dos funcionários públicos congelado até 2021.

Auxílio Emergencial

Bolsonaro, segundo o Datafolha, teria, em sua última pesquisa, aumentado de popularidade e uma das causas teria sido por causa do Auxílio Emergencial. Segundo o Datafolha 37% da população acharia o governo Bolsonaro ótimo ou bom. Fica evidente o caráter manipulativo da pesquisa, ligada à Folha de São Paulo, um dos órgãos mais representativos da imprensa burguesa. O objetivo do jornal é uma campanha pelo Fica Bolsonaro, pelo menos até as eleições de 2022 quando a direita pode ter a chance de eleger um novo presidente de direita ou mesmo de reeleger Bolsonaro.

É impossível pensar que o governo ilegítimo de Bolsonaro tenha tido um aumento em popularidade ainda mais quando o país chega à lamentável marca dos 110.000 mortos devido ao coronavírus, segundo país no mundo com mais mortes pela doença, uma comprovação inequívoca de que o governo é o maior responsável pela marca, já que não tomou nenhuma providência para conter ou tratar a doença. Só este fato seria o suficiente para desacreditar esta pesquisa.

Segundo o Datafolha um dos motivos pela melhora da imagem de Bolsonaro seria o Auxílio Emergencial. Por este o motivo o presidente anunciou a extensão da medida até o final do ano.

Mas as manobras que estão sendo feitas pelos deputados bolsonaristas não são para levantar fundos para o pagamento do Auxílio Emergencial. Que o governo tem o dinheiro não resta dúvida, já que em março deste ano, logo no começo da pandemia, os bancos privados receberam o valor de 1,2 trilhões de reais para o financiamento de crédito a pessoas e pequenas e médias empresas.

Portanto sabemos que dinheiro o governo tem e de sobra. O que as propostas de PEC de Kataguiri e Zambelli visam é outra coisa, é mais um ataque, desta vez sobre os funcionários públicos. Querem fazer os servidores pagarem pela crise, assim como o governo já tem feito com a população em geral, roubando diariamente os seus direitos, como aposentadoria, direitos trabalhistas, direito à saúde, direito à educação.

Bolsonaro fará sua habitual demagogia, desta vez usando a desculpa do Auxílio Emergencial para atacar o funcionalismo público e para isso contará com a ajuda da imprensa golpista. A pesquisa do Datafolha já foi o primeiro passo nesse sentido, o primeiro passo para uma campanha onde tentarão jogar a população contra os servidores públicos.

O objetivo maior de Bolsonaro com esta iniciativa é conseguir realizar a sua Reforma Administrativa, que ele tentou fazer no primeiro semestre e não conseguiu por falta de apoio. Em junho deste ano Bolsonaro declarou que a reforma seria realizada em 2021 e que era preciso fazer um “bom trabalho de mídia”.

A Reforma pretende mudar os direitos dos servidores federais, com a diminuição de salários, redução no número de carreiras, o fim da estabilidade e outros ataques aos direitos dos trabalhadores.

É necessário se opor a toda esta campanha, mais um episódio do ataque constante aos trabalhadores e da implantação da agenda neoliberal de Paulo Guedes e do presidente ilegítimo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas