à própria sorte
Governador do golpista PSDB, Eduardo Leite, resolve manobrar para que justiça conceda liminar para BRF e Minuano voltarem a funcionar e deixar trabalhadores vulneráveis
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Frango-Foto-ANPr-SINDIAVIPAR-Fotos-Públicas
Frango-Foto-ANPr-SINDIAVIPAR-Fotos-Públicas. |

Os patrões e seu governo e a “justiça” cuja função é a defesa dos destes, resolveram, para fazer com que os frigoríficos continuem funcionando, mesmo com o aumento dos casos de contaminação dos trabalhadores pelo coronavírus, utilizar o método de enganar os números e vão liberar os frigoríficos BRF – Brasil Foods e Minuano, da cidade de Lajeado, município do Estado de Rio Grande do Sul, para funcionar.

Conforme o jornal Vale dos Sinos de ontem (18) os frigoríficos BRF e Minuano foram liberados pela “justiça” a retornar às atividades e ocorreu por meio de recurso do Ministério Público do Trabalho (MPT) e homologado no último sábado (16). O MPT havia feito pacto com os donos dos frigoríficos, mas não houve entendimento para o reinicio das atividades, desta forma, não havendo outra forma foi impetrado o recurso.

De acordo com a imprensa venal globo, no caso da BRF, em um primeiro momento, a comarca de Lajeado havia decidido pela não homologação do acordo entre a empresa e o MP, que previa a volta às atividades da empresa. Um dos motivos era o entendimento de que a situação da pandemia não havia mudado na cidade, visto que Lajeado se encontrava na bandeira vermelha no modelo de distanciamento controlado do governo do estado.

“Justiça” e a classificação do grau de risco

A manobra espúria da aceitação, pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, não foi pelas péssimas condições em que os trabalhadores de ambos os frigoríficos, BRF – Brasil Foods e Minuano se encontravam e a forma com que os trabalhadores exercem suas funções, onde a distância de cada operário não passa de 50 centímetros, ou ainda, na falta de equipamentos de proteção e segurança, falta de insumos de proteção contra o coronavírus, mas simplesmente porque, o governador golpista Eduardo Leito do PSDB instituiu Lajeado saiu do grau de risco vermelho (alto) para a classificação de risco laranja (médio). Uma decisão de cafajestes para fazer com que a produção dos dois frigoríficos continuem sem interrupção e coloquem o conjunto dos trabalhadores em enorme risco do contágio do coronavírus.

Nunca é demais dizer que O governador golpista do rio Grande do Sul escondeu até onde pode, o caso dos trabalhadores infectados pelo coronavírus do frigorífico do grupo JBS/Friboi de Passo Fundo, conforme o MPT, nesse frigorifico havia mais de 60 trabalhadores contaminados, inclusive com mortes.

No estado de Rio Grande do Sul, a cada dia que passa, mais casos de trabalhadores, vitimas pelo contágio do coronavírus são denunciados, apesar do golpista vir tentando esconder os casos por debaixo do tapete.

De igual modo, o governo golpista do fascista Bolsonaro demonstra claro objetivo de cometer no país um genocídio, fazendo do país um grande cemitério de trabalhadores e da população explorada, incluindo os trabalhadores em frigoríficos, bem como seus familiares. Para tanto, resolveu que os frigoríficos não podem parar de funcionar, milhões do milhões podem ficar expostos ao contágio, para que os patrões não sofram com perdas nas exportações e tragam bilhões de dólares para o Brasil.

É necessário agir

Assim como ocorreu com os frigoríficos BRF – Brasil Foods e Minuano, o governo com sua “justiça” a serviço dos patrões se utilizarão deste artifício para liberar os poucos frigoríficos que estão interditados, de um total de mais de cerca de 450 e criar uma hecatombe no setor de produção, onde há mais acidentes e doenças no país.

É urgente que haja paralisação as atividades dos frigoríficos para preservar a vida. Os patrões que paguem pela crise.

Fundamental a criação de comissões de trabalhadores em todas as fábricas e, formar conselhos populares para debater e tirar propostas para esse período, onde os trabalhadores e seus familiares, bem como o conjunto da população pobre reside, ou seja, na periferia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas