Brasil em colapso
A depender da burguesia, do Estado golpista, o povo brasileiro está condenado a uma hecatombe.
coronavirus
Foto: reprodução |

Dengue, Chikugunya, Zika, sarampo, febre amarela são exemplos de doenças por vírus que assolam o Brasil. Algumas consideradas como erradicadas, como é o caso do sarampo, e outras que foram incorporadas ao cotidiano da população, como a dengue. Uma simples demonstração demonstra o descaso do governo brasileiro no combate a essas epidemias. Em 2019 foi de 1,5 milhão de infectados e 700 mortes, isso nos dados oficiais. Nessa dimensão o Coronavírus tem todos os “ingredientes” para se transformar numa catástrofe no País.

A tendência no Brasil é que o vírus se alastre drasticamente com resultados muito piores dos que da Itália, um país imperialista, portanto com recursos muito superiores ao do Brasil. Se a taxa de mortalidade na Itália é de 8% e o total previsto de pessoas afetadas pelo o vírus é de 60%, no Brasil esses números chegarão facilmente à casa dos milhões de pessoas mortas ou com sérias sequelas provocadas pela subestimação do COVID19 por parte do governo e da imprensa que em com uma estratégia distracionista procura colocar mais uma vez nas costas da população a responsabilidade pela contenção ou alastramento da doença.

Segundo estudos com pacientes recuperados em Hong Kong, 30% dos curados de coronavírus (aqueles que tiveram um quadro clínico dos mais severos) apresentam sequelas e podem perder até 30% da função pulmonar, tornando-se incapazes de levar a mesma vida que levavam antes, como afirma Owen Zeng, chefe do Centro de Doenças Infecciosas do Hospital Princess Margaret.

Além, da perda da função pulmonar os resultados da tomografia computadorizada mostra que 9 dos 12 pacientes tratados no Hospital Princess Margaret apresentam sinais  semelhantes aos do “vidro fosco”, o que indica danos aos órgão internos. Essas informações são ocultadas tanto pelo governo brasileiro como pela imprensa em geral, em um país que que já é extremamente deficiente com relação à saúde pública e que foi ainda mais sucateado pelo golpe de Estado de 2016  e pela sanha destruidora do governo fascista de Bolsonaro.

Inúmeros especialistas denunciam que muitos e importantes diagnósticos estão sendo feitos em hospitais caros como Albert Eistein, mas que ninguém está fazendo o diagnóstico adequado por meio de tomografia computadorizada etc.  Se isso acontece nos hospitais que atende a burguesia ou, no mínimo a classe média alta que tem condição de pagar um altos plano de saúde, o que é possível imaginar para os hospitais públicos, que atendem a esmagadora maioria  da população brasileira? Segundo dados da OMS é necessário 2,4 leitos para cada 10 mil habitantes. No Brasil, a estimativa é que tenha disponível 1 para cada 10 mil. Isso já diz tudo!

A condição é muitíssimo grave. O Estado (deles, da burguesia) não tem interesse e não está preparada para o que está para ocorrer no País. Cabe as organizações dos trabalhadores, os movimentos sociais tomarem as ruas no próximo dia 18 e, a partir daí, organizar o conjunto dos explorados para exigir e impor uma política pública que atenda de fato a população explorada. Essa mobilização para ser efetivamente progressista e apontar uma saída para o caos que os capitalistas impuseram ao País deve está baseada na luta pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Relacionadas