Lança-chamas contra o povo
É preciso mobilizar a população para derrubar esse governo dos latifundiários que está entregando as riquezas do país nas mãos do que há de mais atrasado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasília - Trabalhadores sem terra, que participam do 6º Congresso Nacional do MST, fazem manifestação em favor da reforma agrária, na Esplanada dos Ministérios (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Movimento de luta pela terra precisa derrubar o governo Bolsonaro para sobreviver | Foto: Reprodução

O governo do presidente fascista ilegítimo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) paralisou 413 processos de reforma agrária, com a interrupção de vistorias e análises sobre desapropriação de imóveis rurais para a criação de assentamentos para famílias sem terra.

A informação aparece em um documento de 5 de outubro do próprio Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), divulgado pelo jornal golpista Folha de S.Paulo.

Paralisação desde março de 2019

A paralisia deliberada dos processos ocorre desde 27 de março de 2019, quando a presidência bolsonarista do Incra orientou as superintendências do órgão nos estados a suspenderem atividades de vistoria em fazendas tidas como improdutivas.

Para Alexandre Conceição, integrante da coordenação nacional do MST, o governo faz uso de “entulhos autoritários”, como portarias e memorandos, para acabar com a reforma agrária. “Ao paralisar completamente os processos, há um desperdício de recursos públicos já gastos. O Incra abandonou, por exemplo, 187 áreas dependentes apenas da imissão de posse”, diz.

O grupo de reforma agrária da PFDC (Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão), um colegiado que funciona no âmbito da PGR (Procuradoria-Geral da República), aponta maiores riscos de grilagem de terras públicas com o novo programa do Incra.

O governo Bolsonaro é um lança-chamas contra a população

Este governo que é um verdadeiro lança-chamas contra a população, deve ser encarado não por como se apresenta, mas como se comporta na prática, ou seja, um governo dos latifundiários e dos assassinos dos sem terra. De maneira que enquanto for Bolsonaro o presidente, os planos para destruir a FUNAI, privatizar os assentamentos da reforma agrária, perseguir o movimento indígena e quilombola, etc.

Derrotar Bolsonaro pela sobrevivência do povo do campo

As organizações populares, de campo e terra, devem ao invés de recuar, negociar ou colocar as ilusões de justiça no STF ou instituições burguesas aparelhadas pelos golpistas, devem se colocar nas ruas pela derrubada do governo e pela restituição dos direitos políticos de Lula, afinal de contas, a destruição de Bolsonaro está totalmente ligada ao golpe de estado, do qual o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores é peça-chave na situação política.

Finalmente  a única maneira de se colocar a diante do problema é derrotar o governo Bolsonaro em uma grande mobilização das massas nas ruas.

É preciso mobilizar a população para derrubar esse governo dos latifundiários que está entregando as riquezas do país nas mãos do que há de mais atrasado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas