A serviço dos bancos
Cerca de 11 milhões de trabalhadores, segundo dados do próprio governo, são afetados por esse verdadeiro assalto contra o povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsonaro-Posto-Ipiranga-600x400
Bolsonaro e Guedes, golpistas a serviço dos banqueiros | Hugo Barreto/ Metrópoles

Na última quarta (30), o ministro-banqueiro Paulo Guedes anunciou a prorrogação da suspensão de contratos e a redução da jornada e salários por mais 2 meses, até o fim de 2020.

Esse gigantesco assalto acomete, segundo dados oficiais da Secretaria de Previdência e Trabalho, 11 milhões de trabalhadores com carteira assinada, que foram vítimas da suspensão dos seus contratos de trabalho, chegando a 18 milhões de “acordos”. E é o resultado da Medida Provisória 936, proposta por Bolsonaro, que permitiu a suspensão dos contratos (o chamado lay off) e a redução de salários por oito meses. No início seria por 4 meses, depois o Congresso golpista autorizou o governo a prorrogar por mais 2 meses e agora por mais 2.

O nível de cinismo é tão grande que o Congresso aprovou a medida de Bolsonaro com a imprensa propagando o discurso dos golpistas, de que a medida garantia a manutenção dos empregos dos trabalhadores durante a pandemia do novo coronavírus. Quando na verdade, a redução da jornada com redução de salário e a suspensão de contratos representa desemprego e achatamento salarial e das condições de vida dos trabalhadores, que estão trabalhando cada vez mais por cada vez menos.

Também é um precedente para impor uma derrota gigantesca aos trabalhadores, uma vez que se há algum tempo os trabalhadores lutavam para ter a reposição da inflação – sobre um salário mínimo que, mesmo insuficiente, teve aumentos reais durante os governos petistas – agora os trabalhadores terão que lutar para não verem destruído o próprio salário mínimo.

A farsa de que os empregos serão mantidos

Segundo o governo golpista, o valor que o trabalhador vai perder de renda, será calculado tendo como base o valor do seguro-desemprego a que cada um tem direito e a quantidade de horas de redução da jornada e do salário.

Por ex.: o trabalhador que teve jornada reduzida em 25%, receberá 75% do salário pago pela empresa + 25% do valor do seguro-desemprego a que tem direito, que será pago pelo governo. Já o trabalhador que teve a jornada reduzida em 50%, receberá 50% do salário da empresa + 50% do valor do seguro-desemprego do governo. Por fim, o trabalhador que teve jornada reduzida em 70%, receberá da empresa 30% do salário e do governo, 70% do valor do seguro-desemprego.

Obviamente que isso é mais uma mentira, tal como a justificativa dos golpistas para a aprovação da MP 936, que era a de que a suspensão de contratos de trabalho preservaria os empregos. O objetivo desta prorrogação dos efeitos da MP 936 é unicamente o de atender diretamente os interesses dos patrões contra os trabalhadores. É para isso que Bolsonaro foi eleito pela fraude eleitoral e a pandemia está sendo usada como um pretexto a mais para a execução desse objetivo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas