Amazônia
Com aval de Bolsonaro, comércio de máquinas pesadas dispara com destruição das florestas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
print trator mercado livre
Anúncios de tratores de esteira em site de vendas | Foto: Reprodução

Em matéria publicada no último dia 30 de julho pelo site Brasil de Fato, o mercado de tratores de esteira, amplamente utilizados para desmatamento, disparou em vendas no último semestre. Segundo dados da Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea), entre os meses de janeiro e junho de 2020, 426 tratores de esteira foram comercializados no Brasil, superando em 105% as vendas no mesmo período no ano anterior, que teve um número de 208 tratores vendidos, sendo anunciados aos montes em sites de vendas como Mercado Livre, OLX e MF Rural, especializado em maquinário agrícola. Em parte dos anúncios e em conversas com comerciantes, estes sequer escondem a finalidade destrutiva de suas mercadorias, exaltando a força e potência das máquinas pesadas.

Esses tratores são indicados sobretudo para o ramo da construção civil, por conta de sua principal função ser a terraplanagem de terrenos, que consiste em retirar terra de uma área até que ela fique com uma superfície uniforme. Embora esse setor seja o maior comprador desse tipo de trator, existe uma contradição: ele está em queda desde o começo de 2020. Em estudo publicado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Construção (ICST) sofreu uma queda de 25,8 pontos até o mês de abril de 2020, chegando até mesmo a 65 pontos no mesmo mês, sendo o pior número da série histórica, iniciada em 2008. 

Paralelamente à esta queda, além do aumento nas vendas de tratores de esteira, como mostrado no início da matéria, há também um aumento nos índices de desmatamento. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas  Espaciais (INPE), já são 13 meses seguidos de aumento do desmatamento no Brasil, comparado com o mesmo período no ano anterior. Apenas entre janeiro e abril deste ano, a destruição das florestas em reservas indígenas subiu 64%. Como pode-se constatar, a subida nas vendas de tratores é indissociável da alta nos índices de desflorestamento, que embora seja permitido por lei, em grande medida é realizado ilegalmente. Num cenário de crise econômica e queda no comércio, a venda de tratores e outros equipamentos agrícolas segue contraditoriamente em alta junto à grilagem de terras.

Desde o mês de março de 2020, o governo Bolsonaro já publicou 195 atos no Diário Oficial da União, de acordo com pesquisa feita pelo jornal Folha de S. Paulo em parceria com o Instituto Talanoa, pouco tempo antes da polêmica e escatológica reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, na qual o ministro do Meio-Ambiente, Ricardo salles, aconselhou o seu chefe e colegas ministros à aproveitarem a atenção da imprensa com a pandemia do coronavirus para alterar discretamente  toda uma série de normas e leis e retirar direitos, visando assim favorecer os interesses dos seus patrões, os capitalistas, em detrimento dos trabalhadores e demais grupos oprimidos. E assim segue a total farsa que é a postura nacionalista de Bolsonaro, principalmente com relação à Amazônia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas