“Lockdown”: Estado de sítio
Rui Costa determinou a suspensão do transporte intermunicipal em mais 10 cidades da Bahia. Ao todo, são 246 cidades onde a população está trancada e impedida de circular
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
transporteinter
Suspensão das rodovias e trancamento forçado da população nas localidades | Foto: Reprodução.

O governador da Bahia Rui Costa (PT) suspendeu o transporte intermunicipal em mais 10 cidades do estado. Foi publicado o decreto nesta sexta (29) que determina o fechamento das rodovias de Acajutiba, Aratuípe, Cícero Dantas, Iguaí, João Dourado, Maiquinique, Mairi, Nazaré, Piraí do Norte e Arcado.

Em todo o território estadual, são 246 cidades com transporte intermunicipal suspenso.No total, a Bahia tem 417 municípios. Isso significa que mais da metade da população baiana está impedida de circular. Segundo o governo, a medida tem por objetivo impedir a propagação do Covid-19 e, para isso, veta a circulação, chegada e saída de qualquer transporte coletivo público ou privado, rodoviário e hidroviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e vans.

A política de Rui Costa significa o trancamento forçado de amplos setores da população em suas localidades. É flagrantemente inconstitucional, uma vez que a pandemia não pode ser utilizada como pretexto para retirada dos direitos democráticos fundamentais por parte do Estado. O direito de ir e vir está consagrado na Constituição e não pode ser cassado por qualquer iniciativa governamental.

Ao contrário de trancar a população nas cidades e proibir a circulação, a política correta é a de ampliar a frota do transporte público e as linhas de circulação com vistas a impedir a superlotação dos mesmos. A população tem o direito de circular e aumentar a frota significaria a garantia dos direitos e, ao mesmo tempo, a proteção do povo contra o contágio do coronavírus.

O governador petista da Bahia é um dos entusiastas da política da Frente Ampla, que significa o atrelamento dos trabalhadores e suas organizações políticas e sindicais à política da burguesia. Recorrer à repressão estatal, mesmo que seja com bons pretextos, tem o único significado de fortalecer a política da extrema-direita fascista que tem em suas mãos as alavancas fundamentais do poder do Estado, como o controle sobre a Polícia Federal, as agências de informação e espionagem, as polícias militar e civil e as Forças Armadas. Os governos da esquerda têm que se delimitar, proteger os direitos democráticos e atuar sob a base deles, e não aderir à política da extrema-direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas