EUA ataca países opositores
Cuba rechaça ferramenta dos EUA para pressionar países que não se dobram às ordens de Washington e sua política de agressão a opositores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ministro-cuba-rlex-1
Bruno Rodríguez Parrilla, ministro das Relações Exteriores de Cuba, Imagem: Cubaminrex | Imagem: Cubaminrex

A chancelaria do governo cubano emitiu nota nesta segunda (01) repudiando a inclusão do país na lista de países que “não cooperam” com os esforços antiterroristas dos Estados Unidos. A lista foi divulgada pelo governo Donald Trump no último dia 13 de maio e acrescentou o país caribenho de volta à lista depois de ter sido retirado em 2015, juntamente com Irã, Coréia do Norte e Venezuela.

A diplomacia cubana afirma que, a lista, nada mais é do que um instrumento de difamação contra os países que se recusam a seguir as ordens de Washington e coagi-los. Afirmando ser uma decisão unilateral, arbitrária, sem qualquer fundamento, autoridade e apoio internacional.

O governo norte-americano justificou a inclusão da ilha afirmando que lideranças do ELN (Exército de Libertação Nacional) da Colômbia se refugiaram no país após negociações de paz em 2017, o que o Ministério das Relações Exteriores nega completamente e afirma ser uma acusação infundada e desonesta e ingrata com a colaboração do governo colombiano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas