Um roubo descarado
Avaliado em mais de 1 bilhão de dólares, o ouro venezuelano se encontra depositados nos cofres do Banco da Inglaterra em Londres.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
img_1200x900$2016_08_12_19_08_39_292199
Barras de ouro venezuelanas confiscadas pela Inglaterra | Reprodução

De terça (22) a quinta-feira (24), o recurso da Venezuela após a decisão do Supremo Tribunal Britânico que negou ao país o acesso a 31 toneladas de seu ouro, será avaliado pelo Tribunal de Recursos do Reino Unido. Avaliado em mais de 1 bilhão de dólares, o ouro venezuelano se encontra depositados nos cofres do Banco da Inglaterra em Londres.

O caso veio à tona logo após a Justiça britânica ter confirmado que a Inglaterra reconhecera como chefe do Governo venezuelano o deputado golpista Juan Guaidó, autoproclamado “presidente interino da Venezuela” em janeiro de 2019, ignorando o resultado das eleições que deram à Nicolás Maduro o poder do executivo. Segundo os advogados do Banco Central da Venezuela (BCV), o julgamento do recurso visa determinar se o Banco da Inglaterra reconhecerá o Estado venezuelano ou o “governo paralelo” de Guaidó como dono do ouro.

Vale destacar que, em maio passado, o BCV ajuizou ação contra o banco londrino para obter o que – de fato – é seu, e vender parte de seu ouro para repassar os recursos ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o que permitiria a aquisição de alimentos e medicamentos necessários ao combate da pandemia do coronavírus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas